B2B International

Falhas de segurança de terceiros são as mais prejudiciais para as empresas

O relatório “IT Security: cost-center or strategic investment?” revelou que as falhas de cibersegurança mais prejudiciais para as empresas, independentemente da sua dimensão, resultam de terceiros, o que significa que as estas não devem investir apenas na sua proteção, mas estar atentas também ao que fazem os seus parceiros.

Bancos gastam três vezes mais em segurança do que outras empresas

De acordo com a Pesquisa de Riscos à Segurança de Instituições Financeiras realizada pela Kaspersky Lab e a B2B International, o investimento em segurança é prioridade para os bancos e instituições financeiras. Ao sofrer ataques na sua própria infraestrutura e na de clientes, os bancos gastam três vezes mais em segurança de TI que instituições de outras áreas com porte semelhante, diz o estudo.

Utilizadores têm dificuldade em separar-se dos seus smartphones

Segundo um estudo levado a cabo pela Kaspersky Lab e B2B International, 88 por cento dos utilizadores guardam informação importante, confidencial e, muitas vezes, insubstituível nos seus smartphones, incluindo passwords, mensagens, fotografias, contactos, ficheiros, etc. Um quarto dos utilizadores afirma que guarda informação nos seus dispositivos que não gostaria que fosse vista por mais ninguém além de si.

Pais temem que número de ameaças online aumente, diz estudo

Recentemente, a Kaspersky Lab e da B2B International realizaram um estudo onde foi constatado que 30 por cento dos pais acham que não têm qualquer controlo sobre o que os seus filhos vêm ou fazem online, e 38 por cento temem que a relação das crianças com a Internet se torne num vício. Foi revelado ainda que mais de metade dos adultos com pais e avós ligados à Internet preocupa-se que possam estar igualmente vulneráveis.

74% dos internautas descarregam ficheiros maliciosos sem saber

Durante este ano, a Kaspersky Lab realizou um teste aos hábitos online dos utilizadores, no qual participaram 18 mil pessoas de países de todo o mundo, entre os quais Portugal. De acordo com os dados recolhidos, 74 por cento de todos os utilizadores da Internet que participaram no teste descarregam ficheiros potencialmente maliciosos, já que não são capazes de detetar os perigos online a que estão expostos.

Ataques DDoS custam milhares de euros às empresas

Um ataque DDoS pode custar à empresa lesada entre 46 mil e 395 mil euros. Esta foi a principal conclusão de um estudo da Kaspersky e da B2B International, que tornou evidente que estas investidas causam danos tanto a nível informático como a nível financeiro. Os Distributed Denial of Service, ou DDoS, são ataques que