Sector de espaço sustenta ano “excecional” da GMV

Empresas

Empresa supera os 140 milhões de euros no sector do Espaço, liderando a nível mundial atividades como centros de controlo e navegação

Do ponto de vista de emprego, a GMV posiciona-se como 6º grupo industrial europeu no sector do espaço. Entre as atividades que permitiram atingir estes montantes recorde, destacam-se os programas Galileo e Copernicus, a mega-constelação da OneWeb ou os desenvolvimentos para a Eumetsat, vigilância e rastreio do espaço, exploração e defesa planetária.

O ano de 2019 foi excecional para o segmento de negócio do espaço na multinacional tecnológica GMV, garante a empresa em comunicado enviado à imprensa, que reporta ter conseguido aumentar em 30% a sua faturação relativamente ao ano anterior, superando os 140 milhões de euros, para um total de 245 milhões de euros na atividade do grupo de empresas da GMV.

Estes dados reafirmam a tendência de crescimento dos anos anteriores, visto que desde 2015 a GMV multiplicou por 2,5 o seu volume de negócios no sector do Espaço, o que permitiu que novos profissionais se juntassem ao projeto da empresa. Deste modo e do ponto de vista do emprego, a GMV consolida-se como o sexto grupo industrial europeu no sector do Espaço, apenas atrás dos grupos Airbus, Thales, Ariane, Leonardo e OHB.

Este foi um crescimento generalizado, abrangendo todas as áreas de negócio do Espaço, com crescimentos entre os 15% e os 40% e envolvendo também a maior parte dos países onde a empresa detém atividade espacial. Cumpre destacar o importante crescimento em Espanha, a consolidação da delegação alemã como segundo país dentro do grupo, assim como um crescimento importante das delegações em França, Portugal, Roménia e Reino Unido.

Jorge Potti, diretor-geral de espaço da GMV, assegurou que “2019 foi um ano de excelência para o negócio espacial da empresa. É importante destacar o grande rigor das operações que levaram a GMV a estes resultados recordistas em produtividade, fruto do excelente trabalho dos nossos profissionais qualificados. A Conferência Ministerial da ESA, celebrada em fins de novembro, representou também um importante estímulo para o sector, pelo que esperamos dar continuidade a este crescimento”.

Entre as atividades que permitiram chegar a estes números, destacam-se o contrato do segmento de controlo terrestre de Galileo (Ground Control Segment), o maior da história da GMV. Inclui-se também a liderança no futuro segmento terrestre do Galileo, assim como em múltiplos centros do Galileo (Service Centre, Reference Centre, Search & Rescue, TGVF e Commercial Service). Destacam-se igualmente os desenvolvimentos PRS (Public Regulated Service), o demonstrador operacional SBAS, instalado na Austrália e na Nova Zelândia, e os produtos de alta precisão com integridade, como o desenvolvido para a nova geração de veículos autónomos da BMW.

A GMV reforça a sua posição de líder mundial em centros de controlo, tanto no mercado comercial como institucional, com o início das operações da megaconstelação da OneWeb e responsabilidade sobre o centro de controlo Galileo. Em 2019 foram lançados 12 satélites que serão geridos por centros de controlo e sistemas de dinâmica de voo da GMV, que se consolida enquanto líder de contratos para segmentos terrestres, tais como o controlo da segunda geração do EPS, da terceira geração de METEOSAT, do ExoMars ou os segmentos terrestres de controlo de CHEOPS, PAZ e Ingenio. Em telecomunicações a GMV continua a ser líder mundial, com destaque para os desenvolvimentos para a Eutelsat, OneWeb e Arabsat. Além disso, na área de dinâmica de voo e operações, a GMV continua a ser líder mundial com destaque para os desenvolvimentos e engenharia de operações para o ESOC, Eumetsat, CNES e DLR.

Na área de vigilância e rastreio do Espaço é de assinalar a liderança da GMV em centros de operações que se inscrevem no consórcio SST (Space Surveillance and Tracking) da União Europeia, assim como nas atividades desenvolvidas no enquadramento do programa SSA (Space Situational Awareness) da Agência Espacial Europeia.

A GMV continua a consolidar a sua posição na área de processamento de dados, simulação e aplicações. Destacam-se a adjudicação do contrato para o desenvolvimento do processador da missão MicroCarb (Carbon Dioxide Monitoring Mission), assim como a intensa atividade nas Instrument Quallity Tools para o programa Meteosat de Terceira Geração (MTG). Também os contratos-quadro de Emergência e Segurança da Comissão Europeia posicionam claramente a GMV como um dos pilares principais do Copernicus na Europa, participando ainda com êxito no DIAS (Data Information Access Services) da WekEO. No negócio de aplicações a GMV colocou-se com êxito em destaque nas agências internacionais e na prestação de serviços que ajudam a melhorar os objetivos de desenvolvimento sustentável, o que já se traduziu num primeiro contrato-quadro com a UNICEF.

Na área do segmento de voo, 2019 representou um grande passo para consolidar a GMV enquanto fornecedora de sistemas completos de aviónica, incluindo subsistemas de GNC/AOCS, software de voo e integração com equipas de voo. Cabe ainda destacar a participação da GMV em missões tais como Hera, Mars Sample Return, Space Rider, ADRIOS, OPS-SAT, Herades, ExoMars, missões lunares ou a qualificação de sucesso na aviónica completa do microlançador MIURA-1. A GMV consolida-se como empresa líder em desenvolvimento de tecnologias em áreas-chave de GNC (Guidance, Navigation and Control), robótica, engenharia de software e microeletrónica, com uma expectativa de crescimento nos âmbitos de lançadores, defesa planetária, serviços orbitais e exploração robótica.

O final de 2019 foi marcado pela celebração da Conferência Ministerial da ESA, que obteve um recorde de subscrições dos estados membros, o que representa um importante estímulo para o sector. Para a GMV inicia-se um período de grandes expectativas alavancado por uma sólida experiência num contexto de crescimento acentuado.

Read also :