Portugueses usam telemóvel maioritariamente para acesso às redes sociais

Mobilidade

Desde efectuar compras online a consultar notícias de última hora ou comunicar-se por meio de mensagens instantâneas: as inúmeras funcionalidades que o smartphone possui convertem-no numa ferramenta indispensável no nosso dia a dia.

Quem não tentou alguma vez aguentar mais de 24 horas sem utilizar o telemóvel? Não é fácil, não é mesmo? Especialmente neste ano, em que os smartphones, a Internet e as redes sociais viram o seu consumo disparar devido ao confinamento. Embora em um princípio, o primeiro telefone táctil da história servisse apenas para realizar chamadas e enviar mensagens (falamos do IBM Simon, lançado no mercado há vinte e seis anos), a evolução e o desenvolvimento desse tipo de aparelhos foi de tal envergadura que, actualmente, estabeleceram-se como apetrechos insubstituíveis em nossas vidas.Isso porque as possibilidades que actualmente oferecem são praticamente ilimitadas: comunicar-se com familiares e amigos, tirar fotos, gravar vídeos, escutar música, efectuar transacções, buscar informações, descarregar aplicações e jogos de todo o tipo… Nestes momentos em que o entretenimento móvel não deixa de aumentar, como é o comportamento dos utilizadores de dispositivos móveis no nosso país? 

A Showroomprive.pt realizou um novo estudo com o fim de determinar o uso que os portugueses fazem do seu smartphone, bem como averiguar qual é a sua tendência de compra através das diversas apps de moda disponíveis. Eis aqui os resultados completos, além de uma comparação dos dados mais relevantes em comparação com os extraídos em 2019:

Com que frequência os portugueses conectam-se à Internet por meio do seu smartphone? 

Para uma boa parte da população, olhar assiduamente o ecrã do seu telemóvel converteu-se em mais um gesto da sua rotina diária. De tal forma que 36,42% dos portugueses manifesta conectar-se à Internet por meio do seu telemóvel sempre que recebe uma nova notificação de mensagem e/ou interacção. (Este número diminui levemente com comparação com os dados recolhidos em 2019, em que 37,34% indicaram essa resposta). São seguidos de perto, com 24,04%, por aqueles que afirmam executar esta acção com uma constância superior a uma hora (sendo 24,19% em 2019). É destacável também a percentagem de utilizadores que assegura fazer uso do seu smartphone a cada 60 minutos, correspondendo actualmente a 19,63% (frente a 19,52% do ano passado). Finalmente, 10,81% afirmam manusear este dispositivo a cada 30 minutos, enquanto 9,10% dizem utilizá-lo com uma frequência de entre 10 e 15 minutos

  • Cada vez que me avisa de que tenho uma nova mensagem ou interação: 36,42% 
  • Mais do que a cada hora: 24,04% 
  • Cada hora: 19,63% 
  • Cada 30 minutos: 10,81% 
  • Cada 10 ou 15 minutos: 9,10% 

Como a população portuguesa emprega o seu tempo com o telemóvel? 

As redes sociais se posicionam como um dos passatempos favoritos dos portugueses, sendo por mais um ano a actividade na qual os internautas investem mais minutos do seu tempo com o telemóvel, com um contundente 60,20% dos votos. (Este número aumentou bastante com comparação com 2019, em que conseguiu 53,46%). Em segundo lugar, com 16,98%, situam-se as recorrentes chamadas telefónicas e as chamadas em vídeo, tão populares neste 2020. O total de portugueses que utiliza o seu smartphone principalmente para ver séries e/ou vídeos é de 10,13% (versus 8,77% em 2019). Por último, 9,42% dos entrevistados utilizam-no principalmente para escutar música e/ou jogar; e 3,28% utilizam-no para realizar as suas compras online. 

  • Redes sociais: 60,20% 
  • Falar ao telefone: 16,98% 
  • Ver series e/ou vídeos: 10,13% 
  • Ouvir música ou jogar: 9,42% 
  • Fazer compras: 3,28% 

Para que os portugueses descarregam as apps de moda? 

O confinamento multiplicou a alta demanda das aplicações para telemóveis e, entre as mais atraentes e instaladas nos smartphones, estão as apps do sector de moda. 38,23% dos utilizadores dizem utilizá-las, principalmente, para comprar roupas, sendo esta a alternativa predilecta pelo segundo ano consecutivo. A seguir, aparece a opções de comparar preços, com 27,67%. O conteúdo de inspiração que pode ser encontrado neste tipo de apps através dos looks é a seguinte razão mais votada, com 16,55%, e levemente atrás, a possibilidade de manter-se actualizado sobre as últimas tendências graças a essas apps, com 13,69%. Completando o ranking de preferências de uso, encontra-se a possibilidade de vender roupa, com 3,85%. 

  • Comprar roupa: 38,23% 
  • Comparar preços: 27,67% 
  • Inspirar-me com os looks: 16,55% 
  • Conhecer as últimas tendencias: 13,69% 
  • Vender a minha roupa: 3,85% 

Quando efectuam as suas compras por meio das apps? 

Muitos portugueses concordam em que a faixa horária é indiferente para eles – com 52,21% dos votos em comparação com 46,25% do ano passado –, mas também uma alta percentagem de 29,39% indica que a melhor hora é durante a tarde/noite, a fim de levar a cabo as suas compras confortavelmente em casa. Também é um factor determinante receber um e-mail avisando sobre as vendas interessante, pois 11,13% da população indicou essa resposta. Por último, os aspetos menos votados são: as compras por aborrecimento, com 3,85%, e as aquisições durante a manhã, com 3,42%. 

  • É indiferente: 52,21%  
  • Mais pela tarde/noite: 29,39% 
  • Quando recebo um email de aviso com as vendas que me interessam: 11,13% 
  • Quando estou aborrecida: 3,85% 
  • Mais pela manhã: 3,42%  

Read also :