Porto promove financiamento para digitalização urbana

CloudData CenterEmpresasInovaçãoInvestigaçãoMobilidadeNegócios

Autarquia da cidade convida empresas a apresentar candidaturas que apresentem serviços e soluções digitais para desafios vividos no contexto urbano.

O Porto é uma das oito cidades da Europa – além de Manchester, Helsínquia, Milão, Antuérpia, Carougue, Santander e Eindhoven – que se vão candidatar a uma verba superior a três milhões de euros para o desenvolvimento de serviços e soluções digitais para desafios vividos no contexto urbano. Este projeto que surge no âmbito da plataforma Synchronicity (http://synchronicity-iot.eu/), que, fruto de um investimento global de 20 milhões de euros cofinanciado pela Comissão Europeia, pretende desenvolver um mercado global de IoT (Internet of Things/ Internet das coisas), no qual cidades e empresas desenvolvem serviços digitais positivos para os cidadãos e as economias locais.

Cada um dos oito municípios procura soluções tecnológicas em áreas definidas, sendo que no caso específico do Porto o foco recai sobre mobilidade, envolvimento do cidadão e ambiente e bem-estar. Os projetos a submeter devem apoiar a expansão tecnológica urbana e contribuir ativamente para que os cidadãos e agentes de inovação das cidades possam ser participantes ativos no desenvolvimento deste mercado digital único. As candidaturas já estão abertas e decorrem até 30 de setembro, podendo ser desenvolvidas em consórcio de empresas e outras cidades europeias.

Serão selecionadas entre 15 a 25 soluções, que a partir do início de 2019 devem ser implementadas em três das cidades envolvidas no projeto, durante um período de seis meses. Cada proposta selecionada receberá entre 100 e 300 mil euros de financiamento. A participação do Porto na plataforma Synchronicity manifesta o compromisso do município, através da Associação Porto Digital, com a progressiva digitalização da cidade. A intenção é expandir os serviços baseados na infraestrutura tecnológica já existente, como por exemplo a rede de fibra ótica, já com 4.000 quilómetros, ou a rede wi-fi, que só em 2017 suportou mais de um milhão de dispositivos ligados.