Hábitos online mantêm-se no pós-pandemia

economia

Em média, os consumidores terão adicionado 2,5 novos serviços às suas atividades online até 2025 e o tempo que passam online deverá aumentar em dez horas por semana.

A mudança na maneira como se lida com elementos essenciais da vida quotidiana de modo online, impulsionada pela pandemia global da Covid-19, continuará a ser uma realidade fundamental para pessoas em todo o mundo muito depois do fim da pandemia.

A conclusão é de um relatório de consumo realizado pela Ericsson – o The Future Urban Reality que “revela informações essenciais sobre o que os consumidores consideram que acontecerá depois da pandemia até ao ano de 2025”.

Ao refletir sobre as opiniões equivalentes a 2,3 mil milhões de consumidores em 31 mercados de todo o mundo, o relatório prevê que os consumidores não só continuarão a gerir online atividades rotineiras (como o teletrabalho, o e-learning, a saúde eletrónica e as compras diárias online), mas também acrescentarão em média 2,5 novos serviços a esses hábitos online.

O relatório prevê que os consumidores passarão a dar prioridade ao seu tempo de lazer para viajar mais, praticar um estilo de vida mais consciente e passar tempo com os amigos e a família.

Como consequência do aumento das atividades online, estima-se que os consumidores passarão, em média, mais dez horas por semana online quando entrarem no “novo normal”.

Esta mudança também deverá estreitar o fosso entre os utilizadores online moderados e avançados, com os utilizadores online mais moderados a introduzir mais serviços online na sua vida diária ao longo do período da pandemia.

Zeynep Ahmet, Investigador sénior do ConsumerLab, Departamento de Investigação da Ericsson, afirma: “Ao longo da pandemia, as tecnologias de informação e comunicação (TIC) tornaram-se o principal meio para os consumidores gerirem muitos aspetos das suas vidas quotidianas. As nossas conclusões mais recentes sugerem que isto vai continuar durante o “novo normal” e até mesmo depois”.

Read also :