Conectividade, big data e IA vão revolucionar tráfego e infraestruturas rodoviárias

Negócios

No relatório de ITT Smart Roads, a Indra antecipa uma gestão de tráfego em tempo real mais segura, eficiente e respeitadora do ambiente, graças à digitalização do setor, um negócio estimado em mais de 27 mil milhões de euros em 2020.

A conectividade das infraestruturas com veículos e condutores através da IoT, o uso de dados como gerador de valor no futuro da mobilidade e a aplicação de Inteligência Artificial (IA) para facilitar a automatização vão contribuir para converter estradas convencionais em ecossistemas inteligentes que facilitem uma gestão automatizada em tempo real mais segura, eficiente e sustentável do tráfego. 

Melhorar a experiência de quem viaja, contribuir para a drástica redução das emissões de CO2 e um futuro sem acidentes rodoviários são os principais objetivos desta nova mobilidade, como explica o relatório de Tendências de Transporte (ITT Report) Smart Roads apresentado pela Indra, uma das principais empresas globais de tecnologia e consultoria e líder mundial em mobilidade inteligente.

A Indra demonstra como a IoT, o Big Data e a IA, juntamente com tecnologias como o 5G, Edge Computing, Blockchain, BIM (Building Information Modeling), drones e Distributed Acoustic Sensing (DAS) estão a revolucionar o tráfego rodoviário e a criar modelos de exploração das infraestruturas. Este novo mercado terá um potencial impacto económico estimado em mais de 27 mil milhões de euros em 2022, com destaque para sistemas avançados de controlo e cobrança de tráfego, que darão resposta à futura condução elétrica, conectada, colaborativa e autónoma.

A Indra prevê um futuro no qual será possível aceder com realidade virtual a um centro de controlo de tráfego automatizado, físico ou na nuvem, capaz de prever e reduzir engarrafamentos, conduzir um veículo autónomo hackeado ou responder em tempo real a um incidente. O incidente pode ser detetado em tempo real graças a dispositivos inteligentes ou a uma rede de fibra ótica instalada na via, baseados em tecnologias como DAS (sensor acústico distribuído), DTS (sensor de temperatura distribuído) e inteligência e visão artificial, e pode ser gerido de forma automatizada, tomando decisões como mobilizar drones próximos para uma avaliação inicial, redirecionar tráfego antecipando um engarrafamento ou outras decisões de sinalização, avisos ao condutor, tarifas etc.

Este novo cenário que facilita um controlo de tráfego inteligente, otimizado e automatizado será possível graças às novas plataformas de IoT, capazes de integrar todos os Sistemas Inteligentes de Transporte (ITS); ao Edge Computing, com comunicações de baixa latência entre dispositivos e um grau crescente de inteligência localizada; e nos sistemas cooperativos de transporte inteligente C-ITS, permitindo que os veículos comuniquem entre si e com a infraestrutura.

O Big Data e os algoritmos inteligentes incorporados nestas novas plataformas serão capazes de integrar e analisar os dados fornecidos por todos estes sistemas e outras fontes diversas para prever o tráfego futuro ou a probabilidade de incidentes até duas horas de antecedência, ajudando a minimizar atrasos e outros efeitos negativos, como consumo de combustível e emissões de CO2, que podem ser reduzidas em 6%. Big Data e Inteligência Artificial também contribuirão para melhorar a gestão de ativos até 50% e a manutenção preventiva da infraestrutura rodoviária, reduzindo o risco de sinistralidade.

Neste contexto, a cibersegurança assumirá uma maior importância, garantindo a integridade das informações enviadas e recebidas de um veículo e evitando ataques que possam comprometer a segurança do sistema.

Veículos autónomos integrados em planos de mobilidade urbana sustentável

O ITT Report aponta como um novo ecossistema conectado e participativo será a base para uma infraestrutura mais segura e para o início da condução autónoma, outra grande via de desenvolvimento da mobilidade futura.

O caminho para a condução autónoma requer planeamento estratégico em coordenação com os restantes meios de transportes, através dos Planos de Mobilidade Urbana Sustentável (SUMP), que evitam o aumento dos níveis de tráfego e respondem, por exemplo, à necessidade de áreas especiais para recolher ou deixar passageiros.

Para a Indra, um cenário de veículos com condução autónoma segura requer igualmente a monitorização em tempo real, para que seja possível informar a rede de viaturas e o centro de controlo sobre comportamentos incomuns ou imprevistos, seja por ataques de hackers ou mau funcionamento. Desta forma, a condução autónoma da rede como um todo será enriquecida e serão evitadas situações de risco à segurança rodoviária, ao ser possível intervir a partir do centro de controlo no sentido de reduzir a autonomia ou até assumir o controlo do automóvel.

Perante o debate sobre o modelo de conectividade mais apropriado, os especialistas da Indra afirmam no relatório que o futuro pode passar por uma solução híbrida que garanta uma comunicação contínua na qual todos os sistemas possam comunicar entre si: comunicações de curto alcance (ETSI ITS- G5) dariam resposta a situações específicas, por exemplo, dentro de túneis ou em acidentes próximos, e as comunicações baseadas em tecnologia móvel (4G, LTE e futura rede 5G) produziriam informações sobre toda a infraestrutura com antecedência suficiente.

Tarifação variável, um aliado contra as emissões de CO2 

As novas plataformas de IoT que integram todos os elementos da infraestrutura e a convergência de projetos clássicos de sistemas inteligentes de transporte (ITS) com os de cobrança e portagem podem responder ao desafio que supõe prever, canalizar e racionalizar o crescente tráfego rodoviário de passageiros e mercadorias, especialmente nas cidades, reduzindo os congestionamentos e impacto ambiental.

Assim, de acordo com o relatório da Indra, os sistemas inteligentes de pay-per-use, com portagens dinâmicas e tarifação variável, que permitem guiar e otimizar o tráfego em função da procura e promovem uma mobilidade mais sustentável, favorecendo o uso de veículos menos contaminantes, são vistos como as melhores soluções para aliviar o congestionamento do tráfego em estradas congestionadas e ambientes urbanos.

As portagens de fluxo livre, que permitem a passagem de veículos sem reduzir a velocidade, e os sistemas de deteção automática de veículos e ocupantes com inteligência artificial possibilitam variar as tarifas de acordo com o peso, o índice de contaminação e a taxa de ocupação de cada veículo, bem como o uso de infraestrutura e tráfego na estrada. O blockchain assegura a transparência das informações no pagamento e a distribuição de tarifas.

O relatório mostra a correlação entre tarifação e emissões de CO2 e explica que quase todos os países europeus já optaram por cobrar 100% das vias de maior ocupação, à exceção de Espanha, França, Finlândia, Irlanda e Itália.

Read also :