Xiaomi vai ser investigada pelo governo do Taiwan

InovaçãoInvestigaçãoMobilidadeSegurança

O governo de Taiwan anunciou que vai investigar a fabricante chinesa Xiaomi sobre questões de segurança cibernética, relativamente aos dispositivos móveis. De acordo com uma declaração do poder executivo de Taiwan, alguns telemóveis da Xiaomi estão a enviar automaticamente os dados do utilizador para os servidores da sede da empresa em Pequim, sem o devido consentimento.

O governo de Taiwan anunciou que vai investigar a fabricante chinesa Xiaomi sobre questões de segurança cibernética, relativamente aos dispositivos móveis.

xiaomi

De acordo com uma declaração do poder executivo de Taiwan, alguns telemóveis da Xiaomi estão a enviar automaticamente os dados do utilizador para os servidores da sede da empresa em Pequim, sem o devido consentimento.

A investigação marca o último dos escândalos da empresa chinesa com governos estrangeiros, que estão cada vez mais desconfiados de possíveis ciberataques que emanam do país.

Emissora pública de Hong Kong citou o chefe do Gabinete dos Assuntos de Taiwan na China sobre a decisão tomada, dizendo que “não se pode parar a atratividade dos telefones Xiaomi entre compatriotas através do estreito”.

Um veredicto crítico na investigação poderia levar a uma potencial proibição de produtos Xiaomi em Taiwan, que foi uma parte fundamental da expansão da empresa fora da China, para além de outros mercados do Extremo Oriente, como Singapura, Malásia e Indonésia.

A empresa é pouco conhecida no Ocidente, mas atualmente representa 27 por cento do mercado chinês no que diz respeito aos smartphones, segundo a Kantar Worldpanel ComTech, à frente de nomes como Samsung (que tem 21,1 por cento).

A sonda segue um relatório inicial feito pela empresa de segurança F-Secure no mês passado, que descobriu primeiro que o serviço de mensagens em cloud da Xiaomi estava a enviar telefones, SIM e informações de contato para um servidor na China, sem o consentimento do utilizador.

O vice-presidente da empresa, Hugo Barra, que juntou-se no ano passado à Xiaomi vindo da Android, pediu desculpas pela violação, dizendo que era uma “prioridade” proteger os dados do usuário e a sua privacidade.


Clique para ler a bio do autor  Clique para fechar a bio do autor