Xiaomi protege-se antes de entrar nos EUA

EmpresasMobilidadeNegóciosSmartphones

A chinesa Xiaomi está a fortalecer as suas patentes antes de entrar no mercado norte-americano, disse à Bloomberg Television o chefe de operações internacionais, Hugo Barra.

A companhia já se deparou com obstáculos de propriedade intelectual na Índia, onde uma queixa de infração de patente pela Ericsson brevemente interrompeu as vendas de seus aparelhos no fim de 2014.

Segundo a agência Reuters, executivos da Xiaomi reconheceram que o pequeno portfólio da startup de cinco anos é uma grande fraqueza, e a companhia tem evitado entrar em mercados com forte aplicação de leis de propriedade intelectual.

Ex-executivo do Google, Barra disse que os telefones da Xiaomi não devem levar muito mais que um ano para chegar aos EUA.

Barra afirmou que a fabricante dos smartphones Mi Note e Mi Note Pro vai continuar a desenvolver o portfólio de 2 mil patentes, que é minúsculo ante os portfólios de propriedade intelectual detidos pelas principais companhias internacionais, e que a Xiaomi vai “conversar meticulosamente com todos” para acertar acordos de licenciamento.

 


Clique para ler a bio do autor  Clique para fechar a bio do autor