Xiaomi está de olhos postos nas startups indianas

Negócios

A Xiaomi quer investir em startups tecnológicas indianas e em conteúdos televisivos de produtores estrangeiros, numa altura em que a fabricante chinesa está a procurar deixar a sua marca no setor de produtos eletrónicos domésticos. Depois de no passado mês de dezembro um investimento de 1,1 mil milhões de dólares ter-lhe concedido uma avaliação de

A Xiaomi quer investir em startups tecnológicas indianas e em conteúdos televisivos de produtores estrangeiros, numa altura em que a fabricante chinesa está a procurar deixar a sua marca no setor de produtos eletrónicos domésticos.

xiaomi

Depois de no passado mês de dezembro um investimento de 1,1 mil milhões de dólares ter-lhe concedido uma avaliação de 45 mil milhões de dólares, a Xiaomi, considerada agora a startup mais valiosa do mundo, quer investir na Índia, que alberga um mercado tecnológico que embora esteja ainda muito “verde”, encerra um grande potencial.

Hugo Barra, vice-presidente na Xiaomi, disse que a empresa, numa fase inicial, apostará mais fortemente no mercado chinês, ao nível de conteúdos televisivos. Contudo, o executivo garantiu que a fabricante de smartphones, que compete com a Samsung e agora com a Apple, expandirá os seus investimentos para outros mercados asiáticos.

“A Índia é já o nosso segundo maior mercado para lá da China continental”,afirmou Barra.

O percurso da Xiaomi na Índia tem sido tumultuoso. No fim de 2014, um processo lançado pela Ericsson levou à suspensão das vendas dos smartphones da Xiaomi, que a sueca acusou de violação de direitos de propriedade intelectual. Os telemóveis da empresa chinesa voltaram às prateleiras das lojas indianas em dezembro, mas sob várias restrições.


Clique para ler a bio do autor  Clique para fechar a bio do autor