WeDo reuniu 400 clientes e parceiros em Lisboa

EmpresasNegócios
0 36 Sem Comentários

A WeDo Technologies organizou uma conferência para clientes e parceiros que decorreu de 11 a 13 de maio na Fundação Champalimaud, em Lisboa. O Worldwide User Group & Summit 2016 contou com 400 partipantes de cerca de 45 países, o que demonstra bem a forte aposta de internacionalização da empresa portuguesa.

O evento dedicado à  gestão de fraude, revenue assurance e respetivas tendências, foi também marcado pelo tema da transformação digital, a grande nova aposta da empresa. Conforme foi indicado durante a conferência, a WeDo está ajudar os seus clientes a realizar a transformação para o digital, oferecendo produtos de revenue assurance e gestão de fraudes mas, para além da área de telecom onde é mais forte, está a entrar, com a solução RAID, nas área de utilities, retalho e na saúde.

Tony Poulos, Market Strategy Advisor da WeDo Technologies falou dos desafios que a área de revenue assurante coloca, reforçando que “a fraude é algo humano” e como tal, só quando a tecnologia for capaz de aprender a enganar, será possível criar um automatismo que não inclua pessoas a fazer a análise das fraudes. O executivo deu algumas ideias de como os departamentos que tratam a área de garantia de receitas se podem dar a conhecer ao resto da empresa, nomeadamente, o envio de uma Newsletter mensal com os dados mais importantes.

No último dia do evento, Mark Broom, Chair da GSMA Fraud & Security Group, Chris Walters, Board Director da CFCA e Jim Bolzenius, Senior Director Business Development, Fraud Expert da WeDo Technologies discutiram o futuro e as protecções contra fraude nas telecomunicações. Mark Broom falou da segurança em IoT e como está será uma área sensível e Chris Walters deu um exemplo que demonstra bem como devemos ter em consideração todos os dispositivos quando falamos de segurança, “ninguém quer saber se o seu frigorífico foi atacado mas se tiver um cartão SIM instalado e de repente aparecerem várias chamadas internacionais, aí vamos querer saber”. O especialista em fraude da WeDo disse que  as equipas que gerem fraudes devem consciencializar os seus clientes para os riscos e alertar para medidas de proteção, considerando que a informação é determinante nas fraudes que acontecem nas telecom. No painel, que foi moderado por Nadine Dereza, discutiu-se, igualmente, a importância da cooperação entre os diferentes operadores de forma a evitar ataques e aprender em conjunto  para conseguir impedir novas fraudes.  O diretor da CFCA  indicou, ainda, que “nenhuma fraude acontece apenas numa rede”, que usualmente são vários os operadores afetados e só a colaboração pode ajudar a ultrapassar esses hacks.

Como uma das novas área de ação da WeDo é a saúde com a solução RAID Healthcare, uma das oradoras foi Tammy Taylor, Director Revenue Cycle, do Hospital Metodista de Henderson. Na sua apresentação, a diretora falou do ataque que a unidade hospital sofreu em Março deste ano e que teve impato em 85.000 ficheiros. Referiu como foi importante terem desligado os computadores infectados com o ransonware Locky e do fato de terem backups ter ajudado a não cederem às exigências dos cibercriminosos . Por outro lado, demonstrou como o ciclo de facturação foi afetado durante os 4 dias em que o sistema esteve em baixo e ficaram sem email, pagamentos e emissão de faturas. A principal mensagem foi “não se acomodem, saibam sempre fazer todos os processos de forma manual e automática” pois nunca se sabe quando a vossa rede vai ser atacada.

A WeDo completou 15 anos de atividade e convidou Paulo Altmayer Gonçalves, um dos fundadores da Oi e um dos primeiros parceiros da WeDo, para, juntamente com  Fernando Videira, CFO da empresa portuguesa, conversarem sobre os primeiros passos no Brasil e do plano e da estratégia seguidos ao longo dos anos.  O executivo da WeDO falou ainda dos marcos mais importantes para a empresa, como aquisição da Cape Technologies e da Presidium ,  e dos pontos que considera serem fundamentais para o sucesso da tecnológica: um bom produto, a internacionalização, o fato de não se importarem em correr riscos, a capacidade e qualidade da equipa e o cuidado com os clientes.

Como já foi referido a transformação digital foi um dos pontos fortes da conferência e Sergio Oslé da McKinsey & Company veio a Lisboa falar exactamente disso e de como o digital deve ser a prioridade número das empresas para que consigam sobreviver no futuro.  Sergio Oslé referiu  que a constante reinvenção de uma empresa e dos seus negócios são chave para a digitalização e falou de alguns exemplos bem sucedidos nesta área como a Nike, o New YorK Times e a GE.

paulo_azevedo_3A conferência terminou com uma entrevista de Nadine Dereza a Paulo Azevedo, Chairman e CEO da Sonae, em que foi abordado o sucesso da WeDo, a questão da internacionalização e de como algumas actividade do grupo são mais fáceis de colocar nos mercados estrangeiros do que outras, da área das telecom e das perspectivas futuras. Paulo Azevedo  referiu que a WeDo aprendeu muito no processo de internacionalização e respondeu que uma das principais ideias retidas foi que “é melhor ir com os clientes do que fazer escritórios e ir à procura de clientes”. O CEO da Sonae acrescentou ainda que o futuro é a expanção para a região Ásia- Pacífico e o sector da saúde nos EUA. Falou ainda da recente aquisação da SysValue e de como “não há forma segura para o futuro” mas que isso não deve ser um impedimento para a inovação e de como “o progresso deve ser sustentável”. Outro ponto focado foi o processo de transformação da Optimus para a NOS e de como foi uma importante aprendizagem para todo o grupo. Quanto às qualidades da empresa, disse que a WeDo tem skills de programação, precisa de ter mais executivos internacionais na gestão de topo e que vai ter de apostar em analistas de dados para continuar a ser uma empresa bem sucedida. No final, Paulo Azevedo agradeceu a toda a equipa da WeDo.

Rui Paiva, o CEO da WeDo Tecnologies, fechou Worldwide User Group & Summit 2016 indicando que a empresa, os seus clientes e parceiros são agora uma comunidade e que devem usar essas relações para crescerem. Deixou também com uma mensagem de agradecimento a todos os que fizeram e participaram no evento que reuniu mais de 55 operadoras de telecomunicações de todo o mundo.

 

 

 

 


Clique para ler a bio do autor  Clique para fechar a bio do autor