Vice-presidente do Facebook detido no Brasil por causa do WhatsApp

Appse-MarketingMobilidadeRedes Sociais
0 0 Sem Comentários

O vice-presidente do Facebook para a América Latina, Diego Dzodan, foi detido hoje em Lagarto, no estado de Sergipe, no âmbito de uma investigação relacionada com o serviço de mensagens WhatsApp.

A informação foi veiculada pela Polícia Federal no seu site, referindo que se tratou do cumprimento do mandato de prisão preventiva do responsável do Facebook – que detém o WhatsApp – expedido pelo Juiz Criminal da Comarca de Lagarto (Sergipe).

Diogo Dzodan está, neste momento, a prestar declarações na Superintendência de Polícia Federal em São Paulo, onde permanecerá preso à disposição da Justiça.

Este é o último desenvolvimento de uma investigação que, em dezembro, levou à suspensão do serviço de mensagens durante 24 horas. As autoridades querem que o Facebook entregue dados referentes a um processo, mas a empresa tem apenas um escritório de vendas no Brasil, sem acesso à informação do WhatsApp, que opera de forma separada, e sem ninguém com autoridade para tomar decisões relativas ao serviço de mensagens. A empresa, em dezembro, disse que não podia dar o que não tem.

“A prisão foi representada pela Polícia Federal em Sergipe, em razão de reiterado descumprimento de ordens judiciais, de requerimento de informações contidas na página do site Facebook”, referem as autoridades. “Essas informações foram requeridas para produção de provas a serem utilizadas em uma investigação de crime organizado e tráfico de drogas, a qual tramita em segredo de justiça naquele Juízo Criminal.”

Pelo lado do Facebook, um porta-voz disse ao TechCrunch que a resposta foi desproporcional ao caso. “Estamos muito desapontados com a medida extrema e desproporcional de ter um executivo do Facebook escoltado até à judiciária em conexão com um caso que envolve o WhatsApp, que tem uma operação separada.” A mesma fonte disse que o Facebook continua disponível para endereçar as questões das autoridades brasileiras.

O WhatsApp, que tem 100 milhões de utilizadores no Brasil, sustenta que não guarda registos das mensagens que os seus utilizadores enviam.


Clique para ler a bio do autor  Clique para fechar a bio do autor