Unesco distribui computadores com tecnologia lusa a escolas da Venezula

EmpresasNegócios

A Unesco distinguiu a Venezuela por levar mais de 3,3 milhões de portáteis Canaima, nome local do Magalhães, desde 2008 a alunos do ensino primário e educação média. Este anúncio foi feito por Maryann Hanson, ministra venezuelana de Educação. “O reconhecimento da Unesco ao projeto Canaima, por ser uma boa prática educativa, é também um

A Unesco distinguiu a Venezuela por levar mais de 3,3 milhões de portáteis Canaima, nome local do Magalhães, desde 2008 a alunos do ensino primário e educação média. Este anúncio foi feito por Maryann Hanson, ministra venezuelana de Educação.

RTR2RYZV“O reconhecimento da Unesco ao projeto Canaima, por ser uma boa prática educativa, é também um reconhecimento ao comandante Hugo Chávez, porque foi ele quem desenvolveu o projeto”, declara Maryann Hanson.

A ministra referiu ainda que o programa iniciado em 2008 com a distribuição de 350 mil portáteis a estudantes do ensino primário, estendeu-se atualmente também a adolescentes de educação média. Desde essa altura, foram já distribuídos três milhões e 315 mil portáteis.

Maryann Hanson não deixou de citar Hugo Chávez, que conheceu os portáteis Magalhães durante uma visita à capital portuguesa quando José Sócrates era primeiro-ministro do país.

Os primeiros computadores portáteis foram importados de Portugal, mas os acordos bilaterais entre o nosso país e a Venezuela permitiram um plano de transferência tecnológica que permitiu este país ter hoje uma fábrica própria no seu território.

Os portáteis Magalhães são distribuídos no país com o sistema operacional Canaima, uma versão local baseada no Linux, e estão equipados com mais de oito mil conteúdos específicos para professores e estudantes, desenvolvidos ao abrigo do projeto Canaima Educativo.

A população escolar da Venezuela é de quase oito milhões de crianças, nos setores público e privado. Este número poderá aumentar devido a esforços das autoridades para integrar quase um milhão de jovens que não frequentam o sistema.


Clique para ler a bio do autor  Clique para fechar a bio do autor