UNCC da PJ regista mais de mil casos de burla informática

Segurança

A Unidade Nacional de Combate à Corrupção da Polícia Judiciária registou até ao final do mês passado cerca de 1325 casos de burla informática e 188 casos de contrafação de cartões de crédito. Estes números representam uma ligeira descida em comparação com os 1670 casos registados no ano passado, mas ainda faltam mais de duas

A Unidade Nacional de Combate à Corrupção da Polícia Judiciária registou até ao final do mês passado cerca de 1325 casos de burla informática e 188 casos de contrafação de cartões de crédito.

shutterstock_664498961Estes números representam uma ligeira descida em comparação com os 1670 casos registados no ano passado, mas ainda faltam mais de duas semanas para o ano terminar.

Até ao final de novembro a PJ deteu 18 pessoas por burlas com cartões de crédito. Segundo o inspetor Álvaro Tomé, a maioria dos roubos de dados de banca online e clonagem de cartões tem como destino as compras e o jogo online, especialmente o poker. Por vezes, os dados das vítimas chegam a ser utilizados em sites de pornografia.

Álvaro Tomé alertou para o facto de muitas vezes as compras serem registadas fora do país, pois o burlão acaba por vender as credenciais em sites e fóruns internacionais.

Este ano foram estabelecidos em Portugal 1325 inquéritos devido a fraudes com cartões de crédito, de onde já resultaram 18 detenções, um número bastante semelhante ao que tinha sido registado em 2012.

De acordo com o inspetor, “tem sido mais difícil para os criminosos clonarem os cartões de crédito por causa da evolução da tecnologia, mas ainda assim existem casos onde omodus operandi criminoso é simples”.

Por norma, o perfil dos burlões caracteriza-se por indivíduos entre os 20 e os 35 anos. A maioria dos crimes tem origem em grupos constituídos por cidadãos estrangeiros que têm mobilidade em vários países.


Clique para ler a bio do autor  Clique para fechar a bio do autor