UE financia projeto imPACT

e-RegulaçãoEmpresasLegalNegócios

A União Europeia vai dar dez milhões de euros ao imPACT, um projeto de investigação para proteger os internautas da espionagem na Internet. Michael Backesm, Peter Druschel, Rupak Majumdar e Gerhard Weikum são os quatro professores de ciências da computação em instituições universitárias alemãs que estão por trás do projeto merecedor do financiamento de Bruxelas.

A União Europeia vai dar dez milhões de euros ao imPACT, um projeto de investigação para proteger os internautas da espionagem na Internet.

flag-of-the-european-unionMichael Backesm, Peter Druschel, Rupak Majumdar e Gerhard Weikum são os quatro professores de ciências da computação em instituições universitárias alemãs que estão por trás do projeto merecedor do financiamento de Bruxelas.

Estes professores pretendem encontrar uma forma de proteger os internautas de ações de espionagem e fraude, arranjando um método que exponha os autores de tais ações, mas sem comprometer a liberdade de opinião ou de acesso à informação e ao comércio característica da Internet.

Os maiores objetivos destes investigadores são a proteção da privacidade dos utilizadores durante a publicação de conteúdos na Internet e a participação em comunidades online, de modo a garantir a prestação de contas de internautas e fornecedores de acesso para que os comportamentos maliciosos possam sejam detetados.

“Até agora ainda não chegámos a nenhuma solução satisfatória, nem para qualquer um destes quatro temas isoladamente. Mas estas são propriedades essenciais para a Internet”, refere Michael Backes, um dos professores que estão por trás deste projeto. “Cada uma das propostas encerra uma tarefa dantesca, uma vez que alguns dos objetivos geram conflito entre si”, acrescenta.

“É muito complexo, por exemplo, permitir a privacidade e o anonimato na Web, e, simultaneamente, responsabilizar os utilizadores pelas suas ações em caso de má conduta intencional. Além disso, é difícil determinar a confiabilidade dos dados, que foram publicados anonimamente”, conclui o professor de segurança da informação e criptografia na Universidade de Saarland e porta-voz do projeto financiado pela União Europeia.


Clique para ler a bio do autor  Clique para fechar a bio do autor