Twitter rende-se à publicidade e lança novo serviço de ads

e-MarketingNegóciosPublicidadeSoftware

O Twitter, nos primórdios da sua operação como plataforma de microblogging, adotou uma posição objeta à publicidade, mas receando perder-se sob a enorme pressão exercida pelas suas concorrentes, a rede não teve outra opção senão agora render-se aos ads. Não deverá tardar muito até que o Twitter dê a conhecer ao mundo a sua plataforma

O Twitter, nos primórdios da sua operação como plataforma de microblogging, adotou uma posição objeta à publicidade, mas receando perder-se sob a enorme pressão exercida pelas suas concorrentes, a rede não teve outra opção senão agora render-se aos ads.

twitter

Não deverá tardar muito até que o Twitter dê a conhecer ao mundo a sua plataforma publicitária, que fincará os pés numa dúzia de países, entre os quais encontra-se Portugal.

Esta é uma estratégia de expansão que o Twitter pôs em marcha intentando cimentar a sua posição nos territórios EMEA (Europa, Médio Oriente e África). Espanha e o Reino Unido foram os primeiros mercados a dar a boas-vindas ao novo serviço da tecnológica liderada por Dick Costolo.

Para além de preparar-se para tomar de assalto o setor português da publicidade online, o Twitter Ads – a plataforma publicitária da empresa – deverá nos próximos tempos acomodar-se na Bulgária, Áustria, Suíça e Roménia, entre alguns outros países.

Este novo serviço da rede californiana possibilita que os anunciantes publiquem vídeos promocionais e campanhas publicitárias.

Adicionalmente à possibilidade de as mensagens publicitárias aparecerem na página do utilizador, tendências podem também passar a ser apresentadas na lista dos assuntos mais discutidos na rede.

Em julho, o Twitter evidenciara já este seu novo rumo aquando da compra da TapCommerce, um negócio que viria a atuar como elemento potenciador da sua posição na esfera publicitária.

Ao longo dos últimos tempos as receitas do Twitter têm tropeçado num declínio significativo do crescimento da sua base de utilizadores, pelo que a publicidade poderá ser a salvação da plataforma e a única esperança de um retorno à mó de cima.


Clique para ler a bio do autor  Clique para fechar a bio do autor