TP-Link abre escritório em Portugal e espera receitas de 5 milhões

EscritórioMobilidadeNegóciosOperadoresRedes

A TP-Link reuniu hoje a imprensa no hotel Sofitel para anunciar a abertura de um escritório em Portugal, apresentar os responsáveis pela nova sucursal e dar a conhecer o seu portfólio de produtos. O escritório da TP-Link está localizado na Av. da Liberdade, em Lisboa, e a estrutura da sucursal será composta por cinco pessoas.

A TP-Link reuniu hoje a imprensa no hotel Sofitel para anunciar a abertura de um escritório em Portugal, apresentar os responsáveis pela nova sucursal e dar a conhecer o seu portfólio de produtos.

TP-Link

O escritório da TP-Link está localizado na Av. da Liberdade, em Lisboa, e a estrutura da sucursal será composta por cinco pessoas. Marvin He é o Country Manager para Portugal e Paulo Barreira assume as funções de Channel Sales Manager.

A média de crescimento do fabricante chinês no mercado nacional tem rondado os 50% nos últimos anos e as receitas previstas para este ano são superiores a 5 milhões de euros. Esta é a principal razão por detrás da abertura deste novo escritório, já que a TP-Link segue uma política em que, quando se atinge um determinado volume de negócios numa geografia, abre-se uma filial. Aliás, este é mesmo critério seguido para a contratação de recursos humanos. Se, por agora, a estrutura será composta por cinco elementos, ela poderá crescer no futuro se forem atingidos os objetivos que o fabricante determina.

Paulo Barreira aproveitou a ocasião para dar a conhecer os dados da GfK (em termos de sell-out) referentes a quotas de mercado nacionais nas áreas em que a TP-Link atua e os números são impressionantes. Assim, o fabricante chinês regista 58% de market share em termos de unidades e 49,2% em termos de valor quando falamos de adaptadores wireless e powerline, sendo que a quota de mercado no segmento de routers é de 32%. Ou seja, nº 1 em ambas as tabelas.

A razão para estes bons resultados é simples: a TP-Link segue uma estratégia muito agressiva em termos de preço, apresentando, em média, um valor 20% abaixo da concorrência.

Atualmente, 80% das receitas da TP-Link em Portugal provêm do mercado de SOHO, mas a empresa está já a tentar fechar acordos com os ISP que operam em território nacional, o que, a concretizar-se, significará que passará a haver um maior equilíbrio entre as receitas provenientes do mercado doméstico e as originárias do mercado empresarial.

No que se refere às categorias de produtos mais vendidos em Portugal pela TP-Link, a empresa revelou que o topo da lista é encabeçado pelos amplificadores de sinal, seguido por routers, adaptadores wireless (com tendência para diminuir) e powerline (com tendência para crescer).

A ocasião serviu igualmente para a TP-Link dar a conhecer a sua nova gama de produtos de networking, que foi concebida a pensar na próxima geração do standard Wi-Fi – 802.11ac. Entre as novidades, destaque para os routers Archer C2 e Archer C5. O C2 conta com velocidades wireless de 433Mbps sobre a banda dos 5GHz e de 300Mbps sobre a banda dos 2,4GHz, apresentando um preço de 79,90 euros. Já o C5 oferece ligações simultâneas de 300Mbps a 2.4GHz e de 867Mbps a 5GHz, custando 99,90 euros.


Clique para ler a bio do autor  Clique para fechar a bio do autor