Telecom Italia anuncia corte de 1,7 mil empregos que não deve afetar TIM Brasil

EmpresasGestãoNegóciosOperadoresRedes

A operadora de telefonia anunciou hoje que planeia cortar aproximadamente 1,7 mil postos de trabalho, ou 2,5% de seus funcionários ao redor do mundo, em um esforço geral para impulsionar os lucros, diante de uma clara redução das receitas.

“Os problemas de pessoal permanecem, além dos custos trabalhistas com alto índice de turnover em algumas divisões”, informou a empresa em comunicado oficial que confirma uma decisão adiantada nas últimas semanas pelos sindicatos do país europeu.

Procurada no Brasil pela agência de notícias Reuters, a TIM Participações, segunda maior operadora de telefonia celular do Brasil e subsidiária da tele sediada em Roma, afirmou que a reestruturação aguardada para a Europa não devem afetar os negócios por aqui.

“Não está prevista nenhuma reestruturação interna extraordinária na companhia”, afirmou a TIM Brasil, ao acrescentar que a empresa prevê investimentos avaliados em até R$ 14 mil milhões em todo o país até o ano de 2017.

A Telecom Italia tem em seu quadro completo cerca de 66 mil funcionários, dos quais 53 mil, ou 80%, estão na Itália. No Brasil, a TIM mantém cerca de 13,5 mil funcionários, de acordo com a última estimativa da companhia, divulgada no final de 2014, em seu relatório aos investidores.

O grupo também decidiu adiar investimentos, em um esforço generalizado para reduzir uma dívida avaliada em cerca de 30 mil milhões de dólares, ampliando o impacto da recessão italiana nas operações domésticas da empresa.

A empresa sofre desde o início do ano com um bombardeio de más notícias. Primeiro a possível concorrência da gigante inglesa Vodafone, que planeja um consórcio para espalhar redes de fibra ótica por toda a itália, para substituir a massiva rede de cobre da proprietária da TIM no país.

Em seguida o aumento de capital do grupo francês Vivendi, como forma de pagamento da espanhola Telefónica, pela aquisição da brasileira GVT. Por último o interesse de dois titãs da tlefonia móvel francesa, a Altice, holding proprietária da nova Portugal Telecom e da francesa Numericable-SFR, além de sua rival e maior operadora da França, a Orange.

Na manhã de hoje a Telecom Italia reuniu-se com sindicalistas no ministério da indústria, apenas um quilometro distante de seu sede, para discutir um acordo mediado pelo governo do país europeu, que ainda não foi concluído. Uma nova reunião já está marcada para 29 de julho, quarta-feira da próxima semana.

*Amauri Vargas é jornalista da BIT no Brasil


Clique para ler a bio do autor  Clique para fechar a bio do autor