Taiwan ameaça terminar plataforma da Alibaba no país

e-Commercee-MarketingNegócios

O governo de Taiwan deu seis meses à Alibaba para terminar as operações do seu website Taobao no país. O ultimato é feito depois de a empresa chinesa não ter conseguido obter a licença necessária para operar aquém dos contornos legais da ilha chinesa. A Ilha Formosa (assim foi batizada Taiwan pelos portugueses no final

O governo de Taiwan deu seis meses à Alibaba para terminar as operações do seu website Taobao no país. O ultimato é feito depois de a empresa chinesa não ter conseguido obter a licença necessária para operar aquém dos contornos legais da ilha chinesa.

taobao

A Ilha Formosa (assim foi batizada Taiwan pelos portugueses no final do século XVI) disse que a Alibaba tem seis meses para retirar o seu mercado online Taobao do território, situado a sudeste da República Popular da China, seria penalizada em cerca de oito mil dólares. Apesar de esta decisão surgir como um obstáculo à estratégia de expansão da Alibaba, que tem procurado cultivar negócios fora do mercado chinês continental, os habitantes de Taiwan poderão continuar a fazer encomendas no Taobao através da sua plataforma chinesa.

Emile Chang, secretário-executivo da Comissão de Investimento de Taiwan, afirmou, citado pela Reuters, que nem a Alibaba, nem o Taobao, estão na posse das licenças necessárias para operar no mercado insular. O responsável alega que tanto o Taobao como a Alibaba.com – a plataforma online B2B atingida, em março, por uma decisão semelhante – requisitaram licenças para operar em Taiwan como negócios de propriedade estrangeira e não chineses. Ambos os negócios brotaram do solo da China Vermelha, pelo que não são vistos com bons olhos pelo governo da Ilha Formosa, uma república democrática multipartidária.

Chang afirmou, contudo, que a Alibaba poderia ainda pedir a emissão das licenças devidas, como empresa da China continental, mantendo, assim, o seu negócio em Taiwan.

A gigante do comércio eletrónico disse, segundo a agência noticiosa, que estava já em negociações com as devidas autoridades para conceber uma solução viável e satisfatória para ambas as entidades.


Clique para ler a bio do autor  Clique para fechar a bio do autor