Siemens em maus lençóis com fraco crescimento

Negócios

A alemã Siemens preparou já os seus investidores para as dificuldades que o seu setor energético certamente enfrentará nos trimestres vindouros, depois de ter comunicado resultados para o segundo trimestre que ficaram aquém do esperado. Este anúncio é uma pedra no sapato do CEO Joe Kaeser que, depois de ter assumido o cargo no ano

A alemã Siemens preparou já os seus investidores para as dificuldades que o seu setor energético certamente enfrentará nos trimestres vindouros, depois de ter comunicado resultados para o segundo trimestre que ficaram aquém do esperado.

siemens

Este anúncio é uma pedra no sapato do CEO Joe Kaeser que, depois de ter assumido o cargo no ano passado quando o seu antecessor foi afastado da empresa, tem tentado potenciar a rentabilidade da Siemens e recuperar território perdido para concorrentes como a ABB e a General Electric.

No passado mês de maio, Kaeser revelou uma reforma do corpo administrativo da tecnológica germânica, reduzindo o número de segmentos principais de 16 para somente nove e separando a administração do seu negócio do setor dos Cuidados de Saúde.

No segundo trimestre, os lucros operacionais das quatro maiores unidades da Siemens – Indústria, Energia, Saúde e Infraestrutura & Cidades – escalaram 37 por cento, atingindo os 1,74 mil milhões de euros. Contudo, este valor falhou os 1,83 mil milhões de euros que os analistas haviam projetado.

A Siemens afirmou que até ao fim de setembro, altura em que terminará o seu ano fiscal, dever-se-á observar uma taxa quase nula de crescimento das receitas, com lucros de 5,23 euros por ação, comparativamente aos 5,08 euros registados no ano anterior.

Os analistas prevêem, para o ano fiscal 2013/ 2014, uma queda de 11 por cento nas receitas e um incremento de pelo menos 25 por cento no valor das ações.


Clique para ler a bio do autor  Clique para fechar a bio do autor