Setor das TI entre os mais procurados e melhor pagos

EmpregoGestão

As 18 funções mais procuradas pelas empresas em território nacional em 2015 encontram-se enquadradas nos setores Financeiro, Tax & Legal, Commercial & Marketing, Tecnologias da Informação, Secretariado & Assistência Administrativa e Trabalho Temporário. Pelo menos segundo a Page Personnel, empresa de recrutamento de quadros intermédios e funções técnicas de suporte.

O Guia das Funções Mais Procuradas 2015, agora lançado, procura espelhar de forma prática quais as tendências do mercado de trabalho nacional, as competências mais valorizadas e as funções mais procuradas.

Segundo Sílvia Nunes, executive manager da Page Personnel Portugal, “o contacto diário dos nossos consultores com os principais players do mercardo permite-nos adquirir um conhecimento aprofundado do mercado de trabalho nacional, pelo que partilhamos, sob a forma de guia as funções mais requisitadas, as suas responsabilidades, competências e formação necessárias, bem com, remunerações.”

O guia revela ainda que apresentam média salarial mais elevada os setores de Tax & Legal e de Tecnologias da Informação, com as funções de Advogado, Administrador de Sistemas, Analista Programador e Responsável de Informática a atingirem um valor máximo de 35 mil euros/ano. “Estamos a falar de uma remuneração anual bruta para perfis que tenham, em média, até cinco anos de experiência profissional na função”, explicita a empresa.

Entre as funções mais procuradas em 2015, as que apresentam média salarial menos elevada são Assistente Administrativo, Rececionista, e Comercial e Auditor Interno, com médias salariais máximas de 18 900, 21 000 e 22 400 euros brutos/ano, respetivamente. Também neste caso, os valores referem-se a profissionais que têm, em média, até 5 anos de experiência profissional na função.

 AS FUNÇÕES MELHOR REMUNERADAS

Advogado (Tax & Legal)

Na dependência direta do Diretor Jurídico, acompanha o dia-a-dia societário (redação de atas de Conselhos de Administração, análise de contratos com provedores e clientes, apresentação das declarações de impostos).

Nas grandes empresas é comum a especialização em função dos diferentes ramos do direito (laboral, societário, comercial, público, fiscal); nas pequenas e médias empresas o perfil de advogado de empresa é mais generalista, em função das necessidades da empresa. O desenvolvimento dentro da empresa estará sempre relacionado com a área do direito laboral e segurança social e a média salarial de um advogado com cerca de 3 a 5 anos de experiência na função varia entre 21 000 e 35 000 euros/ano (anual bruta, consoante experiência do candidato).

“As reformas laborais dos últimos anos e o aumento das rescisões durante o período de crise fizeram crescer a necessidade de recrutar este tipo de perfil,” constata Sílvia Nunes.

Administrador de Sistemas (Tecnologias da Informação)

Reporta ao Responsável de Sistemas ou ao Diretor de Tecnologias de Informação, sendo responsável pela administração e atualização de sistemas, resolução de problemas dos utilizadores, gestão de fornecedores, documentação da configuração do sistema e administração da rede.

Os perfis preferidos pelas empresas apresentam licenciatura em Informática, Física, Matemática Aplicada e áreas afins, e ainda certificações oficiais Microsoft, MCSa, MCSE, CCna e CCnP. A evolução natural desta função é para o cargo de Responsável de Sistemas, e a média salarial entre 18 200 e 35 000 euros brutos/ano para perfis que tenham até cerca de 5 anos de experiência na função.

Analista Programador (Tecnologias da Informação)

Com reporte ao Gestor de Projeto, tem a seu cargo os programadores júniores da empresa, a análise de requisitos do cliente, desenho funcional e técnico de módulos, planificação das tarefas dos programadores e supervisão de toda a área de programação.

O seu perfil requer formação profissional de grau superior em Engenharia Técnica e/ou informática/ telecomunicações. Com evolução natural para a posição de Analista Funcional ou Arquiteto, a remuneração da função pode atingir uma média salarial entre os 25 000 e 35 000 euros brutos/ano para perfis que tenham até cerca de 5 anos de experiência na função.

Responsável de Informática (Tecnologias da Informação)

Com reporte ao Diretor Administrativo Financeiro da Empresa ou ao Diretor Geral, será responsável pela conceção, desenvolvimento e manutenção dos sistemas operativos e bases de dados definição dos sistemas de comunicação e soluções técnicas, coordenação da elaboração de propostas e ofertas de cariz técnico, relação com empresas de serviços externos e gestão de fornecedores. Terá a seu cargo, caso existam na estrutura, o Responsável de Sistemas e os Responsáveis da área de Desenvolvimento.

É valorizada a formação superior em Engenharia Técnica e/ou informática/telecomunicações e a progressão profissional exige no mínimo 1 ano de experiência como Responsável de Sistemas ou Responsável de Desenvolvimento. A média salarial anual bruta de um Responsável de Informática com 5 anos ou menos de experiência na função é de 40 000 euros/ano.

“Estes profissionais continuarão a ser muito procurados no futuro, pois são uma peça-chave em qualquer empresa, independentemente do seu setor de atividade ou dimensão. Estas funções apresentam uma rentabilidade a curto prazo, permitindo à empresa a diferenciação e adaptação eficiente às constantes evoluções tecnológicas,” analisa Sílvia Nunes.


Clique para ler a bio do autor  Clique para fechar a bio do autor