Semicondutores: gastos mundiais caem 2% em 2016

Negócios

A Gartner prevê que os gastos no segmento de semicondutores vão recuar 2% este ano, atingindo os 55 mil milhões de euros. É uma melhoria da anterior previsão da consultora, que antecipava uma quebra de 4,7% em 2016.

De acordo com a Gartner, o mercado dos semicondutores vai regressar ao crescimento em 2017, depois de uma qubra de 0,8% em 2015 e de 2% este ano.

“Enquanto as previsões do primeiro trimestre de 2016 melhoraram em relação à quebra antecipada, esta redução de 2% ainda é fraco”, explica o analista sénior David Christensen. “Excesso de inventário e fraca procura por computaodres, tablets e produtos míveis continua a afligir a indústria de semicondutores, resultando numa taxa de crescimento lenta que começou no final de 2015 e continua em 2016.”

O analista refere que o abrandamento no mercado de dispositivos levou os fabricantes de semicondutores a adotarem uma postura cautelosa nos seus planos de gastos. “Este ano, os maiores fornecedores estão a responder à expectativa de redução da procura e a prepararem-se para novo crescimento em tecnologias de ponta em 2017.”

Além disso, a agressividade do governo chinês quanto ao aumento de capacidades de produção ºe uma questão que “não pode ser ignorada” pela indústria de semcondutores. No ano passado, refere a Gartner, houve iniciativas de fusões e aquisições com ofertas de entidades chinesas que indicam esta agressividade comercial. Isto irá afetar “de forma dramática” o cenário de competitividade da produção global de semicondutores nos próximos anos, visto que a China é agora um grande mercado para o seu uso e fabricação.

A consultora destaca ainda o aumento da procura por 10 nanómetros e desenvolvimento de memórias 3D NAND, que irão impulsionar o crescimento de 4,4% no próximo ano.


Clique para ler a bio do autor  Clique para fechar a bio do autor