SDG impulsiona resultados de vendas da Tech Data

GestãoNegóciosResultados

A Tech Data divulgou os seus resultados relativos ao 4º trimestre de 2013 e à totalidade do ano fiscal, concluído a 31 de Janeiro de 2014. No que se refere aos dados do último trimestre, as vendas líquidas foram de 8 mil milhões de dólares, o que representa um crescimento de 7% relativamente aos 7,4

A Tech Data divulgou os seus resultados relativos ao 4º trimestre de 2013 e à totalidade do ano fiscal, concluído a 31 de Janeiro de 2014. No que se refere aos dados do último trimestre, as vendas líquidas foram de 8 mil milhões de dólares, o que representa um crescimento de 7% relativamente aos 7,4 mil milhões de dólares no período homólogo do ano anterior.

shutterstock_88492132

Analisando especificamente os resultados do mercado europeu, as vendas aumentaram 9% no trimestre, quando comparado com o mesmo período do ano transato. Já os resultados operacionais foram de 56 milhões de dólares ou 1,06% das vendas líquidas, um valor que deve ser comparado com os 23 milhões de dólares ou 0,47% do 4º trimestre do ano anterior.

No que se refere aos dados referentes à totalidade do ano fiscal de 2013, as vendas líquidas da Tech Data ascenderam a 26,8 mil milhões de dólares, um aumento de 6% relativamente ao exercício anterior. Porém, há que salientar que, excluindo as vendas líquidas da SDG (empresa adquirida pela Tech Data no final de 2012) de ambos os exercícios fiscais, as vendas líquidas desceram aproximadamente 1% comparativamente ao ano anterior.

A nível europeu, as vendas líquidas foram de 16,6 mil milhões de dólares (62% das vendas líquidas mundiais), um aumento de 7% relativamente ao ano fiscal anterior. A SGD contribuiu com cerca de 2,3 mil milhões de dólares para as vendas líquidas do ano fiscal 2014. Excluindo a SDG de ambos os exercícios, as vendas líquidas nas operações europeias diminuíram aproximadamente 4% em dólares e cerca de 7% em euros relativamente ao exercício anterior. A descida é principalmente atribuída às fracas condições económicas de certos países, bem como a uma diminuição da quota de mercado em várias operações da companhia devido a pressões da concorrência e a um enfoque na percentagem da margem bruta.

A despesa com remuneração aos acionistas foi de 8,9 milhões de dólares, comparada com 13,6 milhões de dólares no ano fiscal anterior. O lucro líquido do exercício foi de 179,900 milhões de dólares ou 4,71 dólares por ação diluída, em comparação com 176,3 milhões de dólares ou 4,50 dólares por ação diluída no ano fiscal anterior. O fluxo de caixa gerado pelas atividades operacionais foi de 379 milhões de dólares e o retorno do capital investido numa base anual foi de 10%.

“Tenho o prazer de reportar um final forte para o ano fiscal”, afirma Robert M. Dutkowsky, CEO da Tech Data Corporation. “A sólida execução em ambas as regiões, impulsionada por ganhos de quota de mercado nos Estados Unidos, em paralelo com a oferta de novos produtos num ambiente de procura mais estável na Europa, contribuíram para um trimestre recorde. As vendas mundiais de cerca de 8 mil milhões de dólares – as mais elevadas vendas trimestrais da história da nossa empresa – proporcionaram excelentes resultados operacionais e proveitos não-GAAP recorde”, acrescenta. “O desempenho do nosso 4º trimestre sublinha a acrescida sazonalidade do nosso negócio, a resiliência do nosso modelo operacional e a capacidade da nossa equipa conseguir fortes resultados num ambiente de TI em rápida evolução. Tendo conseguido ultrapassar muitas das adversidades que tivemos de enfrentar ao longo do último exercício, estamos muito satisfeitos com o momentum dos nossos negócios na entrada para o ano fiscal 2015”, conclui.

“O comportamento da filial em Portugal acompanhou a tendência da Tech Data a nível global, com um forte crescimento de vendas no último trimestre. Ao longo do ano, reforçámos a nossa carteira de produtos, alargando assim a nossa já ampla oferta de soluções no mercado nacional das TI. Simultaneamente, melhorámos significativamente a nossa capacidade de suporte à execução dos negócios dos nossos clientes e fabricantes, simplificando processos e reforçando de forma relevante a nossa equipa local numa conjuntura económica muito difícil”, sublinha Augusto Soveral, Country Manager da Tech Data Portugal.


Clique para ler a bio do autor  Clique para fechar a bio do autor