SAP Sapphire | Hasso Plattner: “Ninguém deve recear esta transição”

Base de DadosCIOData-StorageEmpresasERP-SuitesNegóciosProjetosSoftware
0 34 Sem Comentários

O último dia da conferência Sapphire Now, da SAP, foi dominado pelo cofundador e visionário Hasso Plattner. O executivo tomou o palco para explicar aos clientes porque não devem temer a transição para S/4Hana.

*em Orlando, Flórida

“Todos os comentários dos clientes que já iniciaram a implementação dizem que foi mais fácil do que eles pensavam”, revelou Hasso Plattner, numa keynote dedicada aos passos a tomar na migração do ERP para S/4Hana, que foi lançado no início de 2015. “No passado, quando tínhamos um novo lançamento, digamos que os comentários dos clientes eram um pouco mais reservados”, adiantou Plattner, provocado o riso na audiência.

O icónico cofundador começou a sessão falando sobre uma reunião que teve com grande clientes em São Francisco, há algumas semanas. “Ninguém tem dúvidas de que o S/4Hana é melhor e querem lá chegar”, contou. “A dúvida é como chegar lá. Quantos meses, como se vão transferir os dados.”

A mensagem do executivo foi clara: “Ninguém deve temer esta transição.” A SAP promete uma implementação total em seis meses (tempo médio dos projetos), uma semana apenas para a conversão técnica e downtime ao fim de semana.

“O sistema tem metade do tamanho”, declarou Plattner, mostrando algumas estatísticas interessantes: menos 45% de linhas de código e menos 48% tabelas em relação ao SAP ERP 6.0. “Temos um sistema simples. Faz o mesmo, de forma mais rápida e mais simples”, resumiu, comparando a nova SAP à Tesla – a fabricante de carros elétricos de luxo que foi referida várias vezes durante este Sapphire Now.

O S/4Hana também ocupa menos espaço (10 vezes menos, indicou), e permite uma redução dos custos de propriedade, ao mesmo tempo que acelera o processamento.

Mas o que se passa com os custos do hardware? Muitos clientes queixam-se de que é caro. Plattner explicou que a SAP, no início, quis ter uma máquina especificamente construída para otimizar o sistema, com múltiplos processadores e múltiplos cores. Tentaram certificar o hardware, mas os fabricantes disseram-lhes que isso permitiria subir o preço. “Sentimos que vinha aí um custo extra e não queríamos isso. Queremos correr em cima de sistemas standard, que podem ser comprados e configurados pelo cliente.”

Sem falar em valores, Plattner declarou que “o servidor para SAP nunca foi tão barato como agora.”  Nem tão rápido: 0,7 segundos de resposta na própria empresa, que tem uma operação massiva com 85 mil funcionários.

“Podemos agora fazer coisas pelas empresas que são verdadeiramente incríveis”, disse o executivo, procedendo a várias demonstrações. Visto que todos os dados estão in-memory, o acesso é ultra-rápido. “Este é um mundo novo. Podemos desenvolver estas novas aplicações, que são tecnicamente independentes da plataforma.”

Plattner sugeriu que alguém mostrasse a solução a Elon Musk, CEO da Tesla, numa altura em que a marca se prepara para lançar o primeiro carro de produção em massa, Model 3. “Penso que temos aqui algo especial. As pessoas podem desenvolver aplicações que nunca tivemos na nossa empresa. A colaboração e o nível de qualidade são inacreditáveis”, congratulou-se Hasso Plattner.

“Isto é como estar de volta ao início da SAP, quando era uma startup, a desenvolver ao lado do cliente.”


Clique para ler a bio do autor  Clique para fechar a bio do autor