Rússia quer source codes da Apple e da SAP

Fornecedores de SoftwareProjetosSegurança

A Rússia pediu à Apple e à SAP que fornecessem ao governo os seus source codes, proposta esta avançada sob a premissa da proteção da privacidade, assegurando, assim, que os produtos amplamente utilizados das duas tecnológicas não são veículos para programas norte-americanos de espionagem da Federação Russa. Este requerimento para a divulgação de informação de

A Rússia pediu à Apple e à SAP que fornecessem ao governo os seus source codes, proposta esta avançada sob a premissa da proteção da privacidade, assegurando, assim, que os produtos amplamente utilizados das duas tecnológicas não são veículos para programas norte-americanos de espionagem da Federação Russa.

apple sap

Este requerimento para a divulgação de informação de índole altamente crítica, cuja indevida utilização pode colocar em xeque a própria integridade das empresas em questão, surge numa altura em que os Estados Unidos e a União Europeia estão a discutir as sanções que fizeram chover sobre a Rússia – as mais severas que sofreu até hoje – pelo papel que desempenhou no decorrer dos conflitos que envolveram a Ucrânia.

Ainda ontem, Washington disparou uma nova vaga de penalizações que atingiram três entidades bancárias russas, encontrando-se entre elas o segundo maior banco do país, o VTB.

A proposta foi pela primeira vez ouvida na semana passada, quando o Ministro russo para as Comunicações, Nikolai Nikiforov, reuniu-se com os administradores russos Peter Engrob Nielsen e Vyacheslav Orekhov, da Apple e da SAP, respetivamente.

Segundo consta, a proposta foi concebida para assegurar a privacidade dos dados pessoais dos consumidores e dos utilizadores corporativos, bem como para salvaguardar a segurança do próprio governo.

Nikiforov afirmou que, a par das revelações de Snowden, que no ano passado expuseram programas de espionagem norte-americanos, o reforço da monitorização da Rússia por parte dos Estados Unidos tem sido causa de uma profunda desconfiança face aos produtos tecnológicos estrangeiros, o que colocou Moscovo em “alerta vermelho”.


Clique para ler a bio do autor  Clique para fechar a bio do autor