Retaliação: o novo mote da abordagem cibernética dos EUA

Segurança

O governo norte-americano tem uma nova estratégia cibernética, que passa por demonstrar a sua capacidade de retaliação em caso de ataque. Esta nova abordagem, mais imponente e feroz do que a apresentada em 2011, visa dissuadir eventuais “ciberinimigos” de atentarem contra as infraestruturas e sistemas informáticos dos Estados Unidos da América. A nova estratégia de

O governo norte-americano tem uma nova estratégia cibernética, que passa por demonstrar a sua capacidade de retaliação em caso de ataque. Esta nova abordagem, mais imponente e feroz do que a apresentada em 2011, visa dissuadir eventuais “ciberinimigos” de atentarem contra as infraestruturas e sistemas informáticos dos Estados Unidos da América.

Cyberataque

A nova estratégia de Washington para defender-se de ataques na esfera digital pode ser vista como a versão cibernética da manobra de dissuasão nuclear que adotou no decorrer da Guerra Fria contra a então União Soviética, assentando na mesma premissa: se for demonstrada capacidade de retaliação que possa causar tantos ou mais estragos que o ataque, então talvez possa evitar-se uma catástrofe.

Diz a Reuters que esta nova posição no mundo digital deverá ser apresentada ao longo do dia de hoje pelo Secretário da Defesa Ash Carter, e representar um esforço da potência americana no sentido de muscular os seus exércitos cibernéticos, numa altura em que o Pentágono, o cerne da defesa dos EUA, reconhece ameaças como a Rússia, a China, a Coreia do Norte e o Irão. Estes Estados, nomeadamente os três primeiros, são frequentemente acusados por Washington de realizarem operações de espionagem ou de atacarem os ativos digitais e infraestruturas do governo.

O Departamento da Defesa acredita que os Estados Unidos deveriam estar munidos de ferramentas que lhes permitissem inviabilizar as redes do inimigo, as suas infraestruturas críticas e as suas capacidades de ataque. Ou seja, incapacitar pronta e terminantemente a entidade agressora.

De acordo com um documento a que a Reuters teve acesso, a identificação pública de Estados responsáveis por ciberataques e a aplicações de punições são outras ferramentas de que se deverá socorrer esta nova estratégia.

Ontem, o Secretário Carter deslocou-se até Silicon Valley, numa viajem que visa atrair talentos cibernéticos para o Pentágono, em linha com os objetivos de fortalecimento das defesas informáticas do governo norte-americano.


Clique para ler a bio do autor  Clique para fechar a bio do autor