Retalhistas da Europa são os mais avançados em Big Data

Big DataData-StorageEmpresasNegócios

De acordo com a empresa de marketing preditivo baseado em cloud computing, AgilOne, os retalhistas europeus de média dimensão são os mais avançados na adoção da analítica de dados em contexto de Big Data. Esta é a principal conclusão de um estudo realizado pela empresa sobre marketing orientado a dados, no qual esta ouviu executivos

De acordo com a empresa de marketing preditivo baseado em cloud computing, AgilOne, os retalhistas europeus de média dimensão são os mais avançados na adoção da analítica de dados em contexto de Big Data.

Big Data 6Esta é a principal conclusão de um estudo realizado pela empresa sobre marketing orientado a dados, no qual esta ouviu executivos de 70 retalhistas de média dimensão. No entanto, os europeus são os menos sofisticados na consolidação dos diversos dados do cliente, provenientes de todos os canais.

As conclusões do estudo apontam que os retalhistas da Europa não estão, necessariamente, a usar análise preditiva de dados, tanto quanto os seus congéneres norte-americanos, mas, segundo a AgilOne, “o seu uso é significativamente mais avançado”.

Atualmente existem menos retalhistas europeus a usarem modelos de previsão do que aqueles baseados nos Estados Unidos. Contudo, aqueles que utilizam estão a fazê-lo em mais canais e em mais formas.

A maioria das empresas no setor do retalho sediadas nos Estados Unidos estão a utilizar apenas modelos preditivos para dados de e-mail e metade das empresas europeias também está a usar modelos de previsão para os centros de correio direto e contacto. Apenas 36 por cento terão feito isso, comparativamente com os 51 por cento dos retalhistas norte-americanos. No entanto, 27 por cento dos retalhistas europeus pretendem desenvolver uma plataforma dessas dentro de um ano.

A interligação e consolidação de dados de cliente oriundos de vários canais num só elemento de identificação do cliente é outra área onde os retalhistas europeus também estão menos evoluídos, pois apenas 36 por cento fazem-no em comparação com 50 por cento dos retalhistas norte-americanos.


Clique para ler a bio do autor  Clique para fechar a bio do autor