Reguladores da UE questionam operadoras sobre acordo entre Nokia e Alcatel-Lucent

EmpresasGestãoLegislaçãoNegócios

Reguladores antitrust da Europa estão a averiguar se a oferta de 15,6 mil milhões de euros feita pela fabricante finlandesa para aquisição da francesa Alcatel-Lucent representa uma ameaça para o mercado. O órgão da União Europeia está a ouvir os pareceres das operadoras de telecomunicações móveis e fixas do continente.

A entidade resultante combinação de ambas ficaria numa posição entre o líder deste mercado, a sueca Ericsson, e a rival chinesa Huawei, e acima de outros players incluindo a chinesa ZTE, a sul-coreana Samsung e a japonesa NEC.

A Nokia quer ampliar a sua exposição ao lucrativo mercado norte-americano, para expandir o seu portfólio de produtos. A oferta é um de diversos acordos recentes no setor de telecomunicações.

Isso porque as empresas tentam ampliar a sua escala para elevar o lucro e financiar projetos de investigação e desenvolvimento considerados de extrema importância, como as redes de 5G e transmissores, como as antenas Small Cells, cada vez menores e mais portáteis.

No questionário enviado a companhias europeias, ao qual a agência Reuters teve acesso, a comissão questiona, por exemplo, se a ZTE e a Samsung podem ser consideradas alternativas confiáveis na indústria de redes de acesso por rádio (RAN).

“Considera que a transação proposta reduz o número de fornecedores alternativos de forma a afetar a competição?”, diz uma das perguntas do relatório.

O documento também questiona se o acordo afetaria as barreiras no segmento de comutação. A autoridade tem até o dia 27 do próximo mês para decidir se aprova o acordo, que já foi autorizado por reguladores de países onde ambas, Nokia e Alcatel, atuam, como os Estados Unidos, o Brasil e a Sérvia.

*Amauri Vargas é jornalista da B!T no Brasil


Clique para ler a bio do autor  Clique para fechar a bio do autor