Receitas da Capgemini sobem dois dígitos no primeiro trimestre

GestãoNegóciosResultados

As receitas da Capgemini subiram até aos 2,764 milhões de euros no primeiro trimestre de 2015. Este aumento de 10,5 por cento, face ao ano passado, foi impulsionado pelo fortalecimento do negócio da empresa nos mercados norte-americano, latino-americano e na região da Ásia-Pacífico. O diretor executivo do Grupo Capgemini, Paul Hermelin, afirma que na Europa

As receitas da Capgemini subiram até aos 2,764 milhões de euros no primeiro trimestre de 2015. Este aumento de 10,5 por cento, face ao ano passado, foi impulsionado pelo fortalecimento do negócio da empresa nos mercados norte-americano, latino-americano e na região da Ásia-Pacífico.

profit2

O diretor executivo do Grupo Capgemini, Paul Hermelin, afirma que na Europa a empresa atingiu “níveis de desempenho sustentado durante o primeiro trimestre de 2015”. Contudo, foram realmente as suas operações no Novo Continente que fizeram a diferença e geraram o aumento da totalidade das suas receitas.

“Tendo em conta a estrutura do Grupo e as taxas de câmbio correntes”, de acordo com o CEO, as receitas da Capgemini no mercado norte-americano subiram 11,7 por cento. Por outro lado, na dimensão latino-americana e na região Ásia-Pacifico (APAC), a empresa registou um crescimento de 22,9 por cento.

O segmento de negócio que mais cresceu no primeiro trimestre foi o de Application Services, com uma subida de 4,6 por cento das receitas. Esta divisão representa 57 por cento das receitas totais da empresa.

A par do crescimento no continente americano e na APAC, a Capgemini registou uma queda de 16,1 por cento das receitas nos mercados britânico e irlandês. Nos restantes palcos do teatro europeu, as receitas subiram três por cento, sendo que no Benelux não foram além dos 0,9 por cento e na França aumentaram 1,2 pontos percentuais.

As vendas da empresa nos primeiros três meses do ano chegaram aos 2,680 milhões de euros.

Para 2015, a Capgemini prevê um crescimento de cinco por cento, com base nos resultados deste primeiro trimestre, e estima, segundo fontes oficiais, “que o free cash flow orgânico se venha a situar acima dos 600 milhões de euros”.


Clique para ler a bio do autor  Clique para fechar a bio do autor