Receita orgânica da Sage Ibéria aumenta 10% em 2017

EmpresasGestãoNegóciosResultados

A Sage apresentou na Bolsa de Londres os seus resultados relativos ao ano fiscal de 2017, que terminou a 30 de setembro. A empresa registou um crescimento da receita orgânica de 6,6% sustentado pelo crescimento da receita recorrente e um melhor desempenho de SSRS (Requisitos Específicos de Segurança do Sistema).

A margem orgânica operacional da companhia em 2017 foi de 28.0%, registando uma margem de EBITDA de 30,3%. Já o crescimento de subscrição de software  foi de 30,3%, em comparação com 32,1% e 2016, representando agora 37% das receitas globais da Sage.

A empresa referiu que registou uma poupança anual de custos na ordem das 59 milhões de libras  e um custo (excecional) associado não recorrente de 73 milhões de libras, ambos favoráveis em relação aos valores orientativos previstos e com melhoria significativa no período de amortização do ano fiscal 2016.

Durante este ano, a Sage adquiriu a Fairsail (agora Sage People) e a Intacct (agora Sage Intacct), que farão agora parte da receita orgânica e que, combinadas, espera-se que contribuam com 1% para as receitas do ano fiscal 2018. Com esta base, a administração prevê um crescimento das receitas orgânicas na ordem dos 8% para esse período. A companhia espera alcançar uma margem operacional orgânica de cerca de 27,5% no ano fiscal 2018.

Quanto à Sage Ibéria,  a receita orgânica aumentou 10% potenciada principalmente pelo aumento da receita recorrente e do modelos de aquisição de software por subscrição. Portugal contribuiu de forma importante para este sucesso, duplicando o crescimento orgânico face ao ano fiscal anterior, sustentado pelo crescimento da receita recorrente de 18,3%, destacando-se também um crescimento de 81,2% no modelo de subscrição, face ao ano fiscal anterior.

O objetivo da Sage Ibéria no ano fiscal 2018 é continuar a aumentar a receita recorrente e de SSRS através de soluções cloud, e continuar a apostar no crescimento do Canal.

“O ano fiscal 2017 marca o fim da transformação definida em junho de 2015, anunciada no Capital Markets Day. Nos últimos três anos cumprimos as previsões de um crescimento mínimo de 6% na receita orgânica e de 27% de margem operacional subjacente, ao mesmo tempo que transformámos radicalmente a empresa. Temos agora a liderança, o alinhamento organizacional, a marca e uma gama ampla de soluções cloud para acelerar o impulso dos nossos mercados”, referiu, em comunicado, Stephen Kelly, CEO da Sage.

“O lançamento da Sage Business Cloud em outubro de 2017 oferece aos nossos clientes a mais completa plataforma cloud para gestão empresarial do mercado e oferece uma ajuda para esta aceleração. Vamos continuar a promover a eficiência e produtividade através de toda organização e este é agora o nosso ‘business as usual’”, acrescentou o executivo.


Clique para ler a bio do autor  Clique para fechar a bio do autor