Qlik ajuda serviço de ambulâncias a acelerar tempo de resposta

EmpresasNegócios

A Qlik anunciou que o serviço de ambulâncias em Uppsala, Suécia, implementou com sucesso o QlikView para a análise de dados do processo de prestação de cuidados de saúde a fim de descobrir formas de melhorar o seu funcionamento operacional e de, última análise, salvar mais vidas. Antes da implementação do QlikView, o serviço de

A Qlik anunciou que o serviço de ambulâncias em Uppsala, Suécia, implementou com sucesso o QlikView para a análise de dados do processo de prestação de cuidados de saúde a fim de descobrir formas de melhorar o seu funcionamento operacional e de, última análise, salvar mais vidas.

Qlik_Ambulancia_Trafikolycka Rv55Antes da implementação do QlikView, o serviço de ambulância em Uppsala tinha dificuldades em processar os enormes volumes dados recolhidos pelo pessoal, nos postos das ambulâncias e nos hospitais, bem como nas chamadas de emergência efetuadas pelos pacientes. A maior parte dessa informação era recolhida em forma de texto, tornando difícil a sua visualização e a tomada célere de decisões.

Com o QlikView, já são capazes de extrair dados valiosos através de uma aplicação para decisões médicas com capacidades pré-programadas que servem como questionário para os operadores.

A aplicação torna significativamente mais rápida e fácil a recolha de dados e apresenta a informação de forma a permitir aos utilizadores uma rápida deteção de padrões na sintomatologia do paciente para que possam tomar decisões céleres sobre os cuidados necessários a prestar.

Além da aplicação para as decisões médicas, o serviço de ambulância utiliza também a solução da Qlik para analisar a distribuição das suas viaturas de emergência. Através da análise dos dados sobre os despachos anteriores das ambulâncias, a organização tem conseguido detetar padrões nas localidades às quais as viaturas são enviadas numa determinada, a que horas e até mesmo a que endereço. A organização consegue, também, fazer uma melhor distribuição das ambulâncias, colocando-as em áreas que recebem mais chamadas de emergência.


Clique para ler a bio do autor  Clique para fechar a bio do autor