Primeiro sistema 3D do mundo para doentes epiléticos é português

CiênciaInovação

Novo sistema criado por portugueses pode ajudar médicos no processo de diagnóstico e na definição de terapêuticas, não só para a epilepsia, mas também para outras doenças neurológicas, como o parkinson.

O primeiro sistema do mundo que usa tecnologia vídeo-3D, com baixo custo, para extrair movimentos durante crises epilépticas é português. E pode ajudar os profissionais de saúde no processo de diagnóstico e na definição de terapêuticas, não só em epilepsia, mas também noutras doenças neurológicas, como por exemplo na doença de Parkinson.

O objetivo, diz a equipa responsável, passa agora por disponibilizar este sistema, que está a ser testado há um ano no Centro de Epilepsia do Departamento de Neurologia da Universidade de Munique, a outras unidades de monitorização de epilepsia e colaborar com elas para o bem dos doentes. O facto de se tratar de um sistema de baixo custo faz com que tenha potencial de generalizar o seu uso em unidades de diagnóstico e tratamento de epilepsia em todo mundo, mesmo nos países em desenvolvimento, diz a equipa em comunicado enviado à imprensa.

O sistema não requer nenhum tipo de intervenção nem no doente nem na cama onde estes doentes são monitorizados, uma vez que junta vídeo de grande qualidade (HD) a um radar de infravermelhos de alta velocidade para obter 30 imagens 3D por segundo. Os sensores 3D foram sincronizados com a atividade cerebral (EEG) do doente monitorizado e estão a ser utilizados em ambiente real hospitalar, em Munique (Alemanha), num centro médico que serve 8 milhões de habitantes só nesta área da neurologia.

O nosso sistema 3D consegue extrair trajetórias de movimento corporal muito mais rápido do que os sistemas 2D anteriormente utilizados e, em conjunto com o EEG, oferece mais informação quantitativa para o diagnóstico e decisões terapêuticas em epilepsia”, explica João Paulo Cunha, coordenador do Centro de Investigação em Engenharia Biomédica (C-BER) do Instituto de Engenharia de Sistemas e Computadores, Tecnologia e Ciência (INESC TEC), responsável pelo projeto.

“Este trabalho desenvolvido por investigadores do INESC TEC, da Universidade de Aveiro, da Universidade de Munique e da Universidade Técnica de Munique foi publicado na passada sexta-feira, dia 22 de Janeiro, na revista PLoS ONE, uma publicação que na área de “Life Sciences & Earth Sciences” do Google Scholar só é superada em termos de métricas de impacto científico pelas revistas Nature, Science e PNAS”, lê-se no comunicado.

“A publicação deste nosso novo desenvolvimento na PLoS ONE é o reconhecimento de todo o trabalho que temos vindo a desenvolver nesta linha de I&D e pode ser uma porta para que mais portugueses consigam publicar as suas descobertas nesta que é uma das mais reconhecidas revistas a nível mundial”, conclui o docente da Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto (FEUP).


Clique para ler a bio do autor  Clique para fechar a bio do autor