Presidente da Samsung enfrenta acusações criminais na Índia

EmpresasNegócios

O Supremo Tribunal indiano ordenou que o presidente da Samsung Lee Kun-hee comparecesse, dentro de seis semanas, num tribunal local em Ghaziabad para enfrentar acusações criminais que datam de 2009. Lee Kun-hee, de 72 anos, enfrenta acusações criminais, e possivelmente pena de prisão, se no espaço de seis semanas não se apresentar perante o tribunal

O Supremo Tribunal indiano ordenou que o presidente da Samsung Lee Kun-hee comparecesse, dentro de seis semanas, num tribunal local em Ghaziabad para enfrentar acusações criminais que datam de 2009.

Lee Kun Hee

Lee Kun-hee, de 72 anos, enfrenta acusações criminais, e possivelmente pena de prisão, se no espaço de seis semanas não se apresentar perante o tribunal local de Ghaziabad, perto de Nova Delhi.

Em 2009, a JCE Consultancy acusou a divisão do Dubai da Samsung de falhar um pagamento de 1,43 milhões de dólares à britânica.

Um painel de dois juízes decretou esta segunda-feira que o mandado emitido para a captura de Lee seria somente executado ao fim das seis semanas que o executivo tem para aquiescer à ordem judicial. Caso não compareça no intervalo de tempo estipulado pelo tribunal, as autoridades indianas têm autorização para deter Lee se este voltar a entrar na Índia.

O veredicto do Supremo Tribunal vem no seguimento de um recurso submetido pelo presidente da tecnológica sul-coreana, com o qual Lee tentou anular todas as acusações criminais que contra si tinham sido lançadas. o Tribunal, contudo, rejeitou o apelo.

Lee é, segundo a Forbes, o segundo homem mais rico da Coreia do Sul, com um património avaliado em 11,2 mil milhões de dólares.


Clique para ler a bio do autor  Clique para fechar a bio do autor