Prémio Científico IBM 2012 entregue a investigadora do IST

EmpresasNegócios

O Prémio Científico IBM 2012 foi entregue ao projeto “Algoritmos robustos de localização em redes de sensores com aplicações a seguimento de alvos” realizado pela investigadora turca do Instituto Superior Técnico, Pinar Oguz Ekim. A cerimónia decorreu no Salão Nobre do IST e contou com a presença do ministro da Educação e Ciência, Nuno Crato,

O Prémio Científico IBM 2012 foi entregue ao projeto “Algoritmos robustos de localização em redes de sensores com aplicações a seguimento de alvos” realizado pela investigadora turca do Instituto Superior Técnico, Pinar Oguz Ekim. A cerimónia decorreu no Salão Nobre do IST e contou com a presença do ministro da Educação e Ciência, Nuno Crato, entre outros.

DSC_0309É a segunda vez que o prémio é entregue a uma mulher e, curiosamente, também é a segunda vez que é entregue a um investigador não português (ao prémio, pode concorrer qualquer cidadão português ou residente em Portugal há, pelo menos, três anos).

O galardão, no valor de 15 mil euros, foi entregue pelas mãos do ministro da Educação e Ciência, Nuno Crato, que destacou a iniciativa da IBM e apelou a uma maior ligação entre o tecido empresarial e o mundo académico. “É estrategicamente fundamental que as empresas se envolvam na educação e na Investigação e Desenvolvimento em Portugal”.

Carlos Salema, presidente do júri do Prémio Científico IBM, admitiu que o júri esteve mais de hora e meia a decidir o vencedor entre os dois melhores projetos. “Numa primeira fase, é fácil escolher entre os trabalhos que são bons mas não são excecionais”, explica. “Este ano, havia trabalhos muito, muito bons”.

O trabalho vencedor tem o nome de “Algoritmos robustos de localização em redes de sensores com aplicações a seguimento de alvos”. O interesse neste tipo de problemas resulta “do sucesso do sistema GPS para aplicações exteriores, onde medias muito precisas de distância a um conjunto de satélites cujas posições são conhecidas permite determinar a posição geográfica de um agente”, afirma Pinar Oguz Ekim.

Em situações onde não é possível aceder aos sinais do sistema GPS (em ambientes interiores, subterrâneos ou submarinos, por exemplo), utilizam-se tecnologias substitutas que permitem medir distâncias da ordem de dezenas de metros entre equipamentos acústicos, rádio ou ambos. Em comparação ao GPS, estas medidas são frequentemente mais ruidosas, existindo uma maior incerteza no posicionamento dos pontos de referência.

A principal questão analisada no trabalho é se dispondo de medidas de distância entre um alvo em movimento e um conjunto de pontos (ou sensores) parcialmente georreferenciados, é possível inferir a trajetória do alvo e determinar as posições desconhecidas de alguns dos sensores. Na ótica de Pinar Oguz Ekim, esta é uma capacidade importante para, por exemplo, “o desenvolvimento de sistemas de localização interiores que sejam fáceis de instalar por requererem um reduzido esforço de calibração sem, com isso, sacrificar a sua precisão”.

“A abordagem baseada em optimização convexa permite determinar as posições corretas do alvo e sensores, desconhecidas à partida, com maior robustez e menor esforço computacional que usando técnicas correntes onde é necessário testar múltiplas configurações possíveis”.

A cerimónia contou, para além da intervenção de Pinar Oguz Ekim, Nuno Crato e Carlos Salema, com a participação de Arlindo Oliveira, presidente do IST, António Raposo de Lima, presidente da IBM Portugal, Satya V. Nitta, da IBM Research e de João Pedro Gomes, orientador da candidata.


Clique para ler a bio do autor  Clique para fechar a bio do autor