Portugueses ainda preferem montras a pesquisar online

e-Commercee-MarketingEmpresasNegócios

Os portugueses ainda são “tradicionais” nas suas opções. Segundo o observador Cetelem, neste Natal, ver nas lojas é a primeira fonte de informação na decisão de compra para a maioria dos consumidores (75%), à semelhança do que acontecia no ano passado (68%). Tal como em 2013, apenas 10% dos portugueses pesquisam informação na Internet antes

Os portugueses ainda são “tradicionais” nas suas opções. Segundo o observador Cetelem, neste Natal, ver nas lojas é a primeira fonte de informação na decisão de compra para a maioria dos consumidores (75%), à semelhança do que acontecia no ano passado (68%). Tal como em 2013, apenas 10% dos portugueses pesquisam informação na Internet antes de ver as montras. Outros 27% pesquisam online, mas apenas como segunda opção. 

NYC-compras

Como seria de esperar, os indivíduos mais jovens, entre os 18 e os 24 anos, são os consumidores que mais aderem à pesquisa online (17%). No outro extremo estão os inquiridos mais velhos, entre os 55 e os 65 anos, que pouco recorrem à Internet para obter informações sobre os produtos: apenas 2% declaram fazê-lo. A pesquisa online conquista também mais consumidores nas classe mais altas (22%) do que nas classe mais baixas (2%).

Geograficamente, constata-se que Lisboa e Porto são as cidades onde residem mais adeptos da Internet: 14% dos portuenses e 11% dos lisboetas começam por procurar informação online antes mesmo de verem as montras ou visitarem as lojas. No Centro, apenas 4% dos consumidores pesquisa em primeiro lugar na Internet.

O estudo revela também que a pesquisa na Internet atrai mais consumidores masculinos (12%) do que femininos (8%). Ver montras e lojas é algo que agrada mais a mulheres (85%) do que a homens (64%).

Este estudo foi desenvolvido em colaboração com a Nielsen, tendo sido realizados 600 inquéritos, a indivíduos de Portugal continental, de ambos os sexos, com idades compreendidas entre os 18 e os 65 anos, entre os dias 30 de setembro e 2 de outubro de 2014. O erro máximo é de +4.0 para um intervalo de confiança de 95%.


Clique para ler a bio do autor  Clique para fechar a bio do autor