Portuguesa Topdox “recebe” investimento de um milhão e parte à conquista do mundo

AppsEmpresasMobilidadeNegócios

Nasceu há dois anos mas, como dizem os fundadores, já nasceu global. A Topdox, com sede no Porto, está disponível em mais de 120 países e diz que 50% dos seus utilizadores estão no mercado norte-americano. Mas também os há no Brasil, no México e em Espanha. Para 2016, dizem que os principais alvos são países asiáticos, nomeadamente a Coreia do Sul e o Japão, apresentados como apostas estratégicas.

A ideia surgiu porque Nelson Pereira e Miguel Jesus, os fundadores, aperceberam-se que apesar dos dispositivos móveis terem vindo mudar a forma como se trabalhava, havia ainda muitas dores de cabeça por resolver. Nomeadamente, faltava uma aplicação que permitisse que utilizadores de diferentes serviços cloud – GoogleDrive, Dropbox, OneDrive, Box – colaborassem sem problemas de compatibilidade em documentos Office, OpenOffice e GoogleDocs.

Nascia assim, no início de 2013, este projeto que no mesmo ano venceu o prémio Jovem Empreendedor da ANJE – Associação Nacional de Jovens Empresários. E passado um ano, em Fevereiro de 2014, era selecionado entre 512 candidaturas de todo o mundo para um programa de aceleração de startups da Rockstart em Amesterdão.

O programa terminou com um mês de trabalho em São Francisco e Silicon Valley, ao lado de colaboradores da Google, Dropbox, Paypal e outras referências globais.

“A presença em San Francisco foi muito positiva. Permitiu-nos contactar e receber feedback muito positivo junto de representantes de empresas como a Samsung Mobiles, a Microsoft e a SAP. Está inclusive a decorrer a negociação de uma parceria com a SAP, que resultou desse contacto na TC San Francisco”. Sobre este assunto Nelson Pereira, um dos co-fundadores da empresa, disse à B!T que ainda não pode divulgar mais pormenores.

Em Janeiro de 2015, a empresa fechou uma ronda de  investimento com a Portugal Ventures e a 2bpartner que foi recentemente distinguida com o prémio “Investment Firm of the Year, 2015” pela Portugal Startups. O investimento total no projeto realizado pelos fundadores, Rockstart Accelerator, 2bpartners e Portugal Ventures ultrapassa um milhão de euros e segundo Nelson Pereira, “está em curso um plano de expansão e crescimento a ser divulgado no próximo ano”.

Entretanto, já nos próximos dias 7 e 8, segunda e terça-feira, a empresa vai marcar presença no evento TechCrunch Disrupt, em Londres. “A ida ao evento de Londres insere-se na estratégia de expansão na Europa: pretendemos conhecer melhor o mercado britânico e estabelecer possíveis parcerias. Estamos a ter um crescimento orgânico fantástico nos EUA, Espanha, França e Alemanha, mas tal não se verifica no Reino Unido. Assim, necessitamos de perceber as especificidades deste mercado e como podemos crescer no Reino Unido”.

A aplicação quer mudar a forma como trabalhamos nos dispositivos móveis e tem já mais de 150 mil utilizadores, sendo a meta para 2016 atingir um milhão de utilizadores. “Os 150 mil utilizadores foram conseguidos através da plataforma iOS e com uma versão muito embrionária do produto. Vamos aproveitar a presença na TechCrunch para lançar a versão Android da Topdox. A versão Android da app irá alargar bastante a base de utilizadores. Está também previsto o lançamento para Windows 10 no segundo trimestre de 2016. Disponibilizar o produto em todas as plataformas mobile e na maior plataforma desktop (Windows) vai permitir chegar a todos os utilizadores que procuram soluções de colaboração poderosas mas fáceis de utilizar”, explicou Nelson Pereira.

À B!T, Nelson Pereira explicou que Topdox é a única plataforma que permite a edição de todos os formatos de documentos das aplicações desenvolvidas pela Microsoft, Google e OpenOffice. “Para além da edição, irá em breve permitir a transformação de documentos “on-the-fly”, ou seja, o utilizador pode partilhar um documento em formato MS Word e a pessoa escolher descarregar uma versão em PDF, OpenOffice ou GoogleDoc desse mesmo documento”.

Para além de uma versão gratuita, pode ser ainda subscrito o serviço “Premium” que desbloqueia funcionalidades avançadas.

Uma das assumidas aposta da empresa são os mercados da Coreia do Sul e Japão. Nelson Pereira explica que estas são economias avançadas, sendo os mercados asiáticos mais parecidos com os ocidentais. “Consideramos que será a melhor porta de entrada no mercado asiático para a Topdox. Já a China, por exemplo, “é um mercado muito complexo com especificidades muito próprias e o Sudeste Asiático muito difícil de monetizar com o nosso modelo de negócio”.

Os grandes objetivos para 2016 são atingir um milhão de utilizadores registados na plataforma; disponibilizar a Topdox em todas as plataformas móveis e reforçar a presença no mercado americano.


Clique para ler a bio do autor  Clique para fechar a bio do autor