Portugal lidera projeto europeu no setor espacial

EmpresasInovaçãoNegócios

O Instituto Pedro Nunes vai coordenar um projeto europeu de aceleração para 150 startups que encontrem no Espaço novas oportunidades de negócio. O Astropreneurs arranca no próximo dia 9 de janeiro com a primeira reunião dos vários parceiros envolvidos.

Astropreneurs gere um orçamento de dois milhões de euros para alavancar novas ideias de negócio direcionadas ao mercado espacial ou que incorporem tecnologia espacial em aplicações terrestres. Financiado pela Comissão Europeia, através do Programa H2020, este projeto vai criar novos negócios, gerar emprego e estimular o crescimento económico em cooperação com a indústria, investidores e instituições nacionais e europeias. O Astropreneurs é coordenado por Portugal, através do Instituto Pedro Nunes (IPN), e reúne diversos parceiros da Alemanha, Áustria, Bélgica, Espanha, França, Reino Unido e República Checa.

Cerca de 500 empreendedores vão ter acesso a uma formação intensiva, que inclui 50 horas de mentoria e consultoria conduzida por 100 peritos para apoiar os empreendedores na aceleração dos seus projetos e na captação de financiamento público e privado, visando uma mais rápida entrada e consolidação no mercado.

Para ajudar a transformar ideias promissoras em negócios viáveis, o Astropreneurs abre a porta a uma vasta rede de investidores, indústria e agências de apoio que integram a chamada “economia do Espaço” para que as empresas tirem o máximo partido dos mercados-alvo e das oportunidades globais. Os empreendedores têm ainda acesso a um conjunto de workshops técnicos e a reuniões com os principais ‘stakeholders’ da indústria espacial. As candidaturas abrem em setembro.

O Espaço é cada vez mais uma fonte de crescimento económico e de inovação

Durante muito tempo, o setor espacial foi mais vocacionado para objetivos estratégicos relacionados com a ciência e exploração do Espaço. Contudo, essa realidade tem vindo a mudar e este setor tem atraído cada vez mais a atenção de outros atores, como estados, empresas e investidores privados. A “economia do Espaço” tornou-se um setor com impacto real, trazendo inovações disruptivas e muitas novas oportunidades de negócio, sobretudo quando aplicadas a outros setores terrestres da economia.

O Galileo, por exemplo, o sistema europeu de localização por satélite, ao fornecer uma precisão inigualável, está a criar a sua própria área de negócios, com centenas de startups a começarem a explorar esta oportunidade.

O EGNOS, um precursor do Galileo, é um sistema complementar que aumenta a precisão dos sinais de navegação por satélite na Europa e que também pode servir de suporte a novas aplicações em diversos setores, como a aviação ou a agricultura de precisão.

O programa europeu Copérnico, que fornece dados de observação da Terra em tempo real, é outra fonte de dados espaciais que está a ser incorporada em novos produtos e serviços do futuro em áreas como o ambiente, a proteção civil e a segurança civil.


Clique para ler a bio do autor  Clique para fechar a bio do autor