Phablets versus Tablets: e o vencedor é…?

MobilidadeNegóciosSmartphones

Nos últimos tempos a Apple tem observado uma nova e nada satisfatória tendência, visto que os smartphones de com ecrãs de maiores dimensões estão a roubar território e utilizadores ao icónico iPad, o que vai obrigar a tecnológica a ter que se esforçar para acompanhar a inconstância dos gostos dos consumidores e para garantir a

Nos últimos tempos a Apple tem observado uma nova e nada satisfatória tendência, visto que os smartphones de com ecrãs de maiores dimensões estão a roubar território e utilizadores ao icónico iPad, o que vai obrigar a tecnológica a ter que se esforçar para acompanhar a inconstância dos gostos dos consumidores e para garantir a sua posição no mercado.

phablets tablets

A empresa norte-americana de consultoria IDC ontem reformulou as suas predições para o volume das encomendas de tablets para 2014, adivinhando que decrescerão em 12 por cento para as 245,4 milhões de unidades em todo o mundo, um valor relativamente baixo quando comparado com os 260,9 milhões anteriormente previstos pela IDC e com um crescimento de 52 por cento registado no ano passado.

Torna-se cada vez mais evidente que os utilizadores estão a caminhar para os grandes smartphones, em detrimento dos tablets, visto que telemóveis como o Galaxy Note 3 da Samsung, com um ecrã de 5,7 polegadas e grande capacidade de armazenamento, rivalizam com os tablets mais pequenos , como o iPad mini da Apple, com um ecrã de 7,9 polegadas.

Batizados de phablets por incorporarem características quer de telemóvel, quer de tablet, os maiores smartphones representaram, no primeiro trimestre, 10,5 por cento das vendas dos “telemóveis inteligentes”, um aumento significativo dos 4,3 por cento registados em 2013.

Deste modo, a Apple vê-se então forçada a desenvolver novos designs para os seus iPhones, dando-lhes ecrãs mais amplos.

Conjuntamente, as vendas de iPhones e as vendas de iPads traduziram-se em cerca de 75 por cento das receitas totais da Apple, pelo que se torna de uma enorme premência conservá-los no topo da lista de preferências dos consumidores.

As vendas de iPads no trimestre passado caíram 16 por cento relativamente ao ano passado, no que se constitui como a maior quebra nas vendas registada até ao momento.


Clique para ler a bio do autor  Clique para fechar a bio do autor