PCs em declínio, mas não tão rapidamente como esperado

EscritórioNegóciosPC

Não é novidade para ninguém que o mercado dos computadores pessoais tem tido um crescimento em trajetória decrescente bem acentuada. Contudo, este declínio não é tão significativo quanto poderíamos julgar, caindo numa cadência menos acelerada do que a que se esperaria. De acordo com a consultora norte-americana IDC, este ano o mercado dos PCs registará

Não é novidade para ninguém que o mercado dos computadores pessoais tem tido um crescimento em trajetória decrescente bem acentuada. Contudo, este declínio não é tão significativo quanto poderíamos julgar, caindo numa cadência menos acelerada do que a que se esperaria.

windows-81-8-inch-acer-tablet-and-dell-pc

De acordo com a consultora norte-americana IDC, este ano o mercado dos PCs registará uma queda de 3,7 por cento, em detrimento dos seis por cento anteriormente estimados pelos analistas.

Então, é esperado que em 2014 as remessas destes aparelhos atinjam os 303,5 milhões, um decréscimo dos 315,1 milhões de 2013, dos 352 milhões de 2012 e dos 361,5 milhões de 2011, altura em que ficou registado um dos pontos altos deste setor.

Nem tudo são rosas, contudo. A IDC não adivinha expressivas melhorias no mercado dos PCs, uma vez que em 2018, segundo o estudo da consultora, o total de remessas deverá ficar-se pelos 291 milhões, evidenciando-se ruturas nas vendas dos desktops em todas as suas áreas de atuação e nas vendas dos computadores portáteis em mercados com maior maturidade. Deverá ainda denotar-se uma ligeira recuperação das vendas dos portáteis nos mercados emergentes.

O responsável pelo estudo da IDC, Loren Loverde, asseverou que é cada vez mais claro o aumento do intervalo de tempo entre cada atualização de computador, acrescentando que o surgimento do Windows 9, calendarizada para o próximo ano, deverá atuar como elemento potenciador do mercado.

A IDC aponta as empresas como os principais motores do crescimento – embora débil – das vendas de PCs, que têm vindo a perder cada vez mais território para os seu arqui-inimigos: os dispositivos móveis.


Clique para ler a bio do autor  Clique para fechar a bio do autor