Opinião: Soft-Skills em IT – Quem disse que não são importantes?

GestãoSkills

As competências técnicas dos profissionais desta área são, sem dúvida, fundamentais, mas se um colaborador não consegue trabalhar em equipa de forma eficaz ou falar com clientes, até que ponto será, a medio-prazo, uma mais-valia para a empresa?

Esta questão é ainda mais válida para futuros profissionais desta área, ou seja, candidatos sem experiência, que pela primeira vez ingressam no mercado de trabalho. Com formações académicas semelhantes e planos curriculares cada vez mais exigentes, aquilo que vai distinguir um candidato à saída da faculdade está muito para além de saber programar um código mais bonito, mais organizado e com menos erros do que o colega da carteira do lado.  

É importante perceber que as empresas valorizam cada vez mais as soft-skills. E porquê? Porque são as mais difíceis de desenvolver! São procurados candidatos com atitude, pro atividade e dinamismo, porque candidatos com estas características são candidatos motivados. 

Algumas empresas continuam a procurar competências previsíveis, como conhecimento de C ++, JavaScript ou .Net, mas cada vez mais têm também requisitos que fogem a esta tendência. As empresas na área da tecnologia procuram nos candidatos: criatividade, exigência, capacidade de ajudar os colegas no dia-a-dia e que promovam um bom ambiente na empresa e na equipa.

Mas afinal o que procuram as empresas?

  1. Comunicação

Nunca se esqueçam que estão integrados numa organização, precisam de comunicar com diferentes pessoas, seja com os recursos humanos, porque precisam de saber se ainda têm férias até ao final do ano, seja com os clientes para fazer o levantamento de requisitos, seja com um diretor da empresa, porque acreditam mesmo que tiveram uma ideia que vai revolucionar todo o negócio. É importante poder ouvir e entender e saber explicar a tecnologia num nível apropriado ao público. A capacidade de escuta ativa é fundamental na comunicação.

  1. Planeamento e Organização

O setor das tecnologias de Informação é um setor focado em projetos. As boas competências de organização são essenciais para os graduados que entram na área da tecnologia, um bom planeamento vai ajudar a gerir diferentes tarefas em diferentes projetos com diferentes prazos e prioridades. O planeamento efetivo permite antecipar problemas e desafios.

  1. Motivação e Entusiasmo

A motivação e o entusiasmo são essenciais para trabalhar nesta indústria incrivelmente dinâmica. São precisas pessoas com capacidade de adaptação, que vejam os novos desafios como oportunidades de evolução. Pessoas motivadas são pessoas apaixonadas pelo que fazem e que conseguem envolver os outros e tornar o trabalho do dia-a-dia em desafios e conquistas.

  1. Resolução de Problemas

Foco nas soluções e não no problema? Sempre! As empresas procuram pessoas que detetem o problema e que procurem soluções, por isso, a capacidade de implementar novas soluções ao nível técnico e de procedimentos é cada vez mais valorizada. Não bloquear perante obstáculos é uma das características mais apreciadas pelas empresas.

  1. Trabalho de Equipa

O trabalho de equipa é essencial para partilhar conhecimento, estabelecer e construir relacionamentos e apoiar todas as pessoas envolvidas num projeto. O trabalho em equipa requer ações interpessoais e, às vezes, competências de liderança. A capacidade de adaptação a diferentes pessoas é fundamental.

É importante compreender que as empresas procuram candidatos que queiram e saibam crescer e evoluir dentro da empresa. Não procuram estrelas, acabadas de sair da universidade, cuja consciência da sua qualidade técnica possa impedir a evolução a outros níveis. 

Com o desemprego no setor de TI a zero, este é um mercado onde as empresas procuram os candidatos e não o contrário! É importante saber este aspeto! No entanto, é preciso mais do que apenas conhecimentos técnicos essenciais para avançar nos departamentos de TI e para serem selecionados pelas melhores empresas. Enquanto as competências e a experiência técnica são necessárias para qualquer profissional de TI, aquilo que constrói uma carreira de TI bem-sucedida nada tem a ver com feeds, bytes e bits…