Opção “Do Not Track” da Microsoft deixa de ser automática

Browsere-RegulaçãoEscritórioLegalSoftware

A opção que enviava um sinal automático a sites de terceiros clarificando que determinado utilizador não deseja ser seguido vai conhecer o seu fim nos browser da Microsoft. O Internet Explorer era o resistente neste campo mas a mudança chega já com as próximas atualizações. A Microsoft anunciou que irá eliminar a seleção automática da

A opção que enviava um sinal automático a sites de terceiros clarificando que determinado utilizador não deseja ser seguido vai conhecer o seu fim nos browser da Microsoft. O Internet Explorer era o resistente neste campo mas a mudança chega já com as próximas atualizações.

microsoft

A Microsoft anunciou que irá eliminar a seleção automática da opção “Do NotTrack”, a funcionalidade que pretendia garantir que os utilizadores do Internet Explorer não fossem seguidos enquanto navegassem na internet.

Brendon Lynch, diretor de privacidade da Microsoft, explica que a mudança tem como objetivo respeitar as novas regras impostas pelo World Wide Web Consortium (W3C), o organismo responsável por gerir o mundo da internet. As últimas indicações do W3C apontam para a abolição de opções automáticas já que “o princípio básico é que a expressão de uma preferência de monitoramento só é transmitida quando esta reflete uma escolha deliberada do utilizador. Na ausência de escolha do utilizador, não existe uma preferência expressa”.

As próximas atualizações do Internet Explorer já terão esta opção desactivada e, apesar de não ser feita referência ao novo browser, por agora, conhecido como Spartan, é natural que também este chegue aos utilizadores sem a “Do Not Track” previamente selecionada.

Apesar de a opção já não ser automática, os utilizadores continuarão a poder selecioná-la para que essa escolha seja, de facto, do utilizador. Lynch revela que “sem esta mudança, os websites que recebem o sinal DNT dos novos browsers poderiam argumentar que essa não é a preferência do utilizador e, por isso, escolher não honrá-la”.

É claro que deixar esta escolha para o utilizador também não garante que os sites honrem o compromisso, contudo, atribui-lhes a responsabilidade total de o fazer e dá aos browsers a prova de que o incumprimento está na outra parte.

Outros browsers como o Chrome ou o Firefox já haviam retirado a seleção automática desta opção.


Clique para ler a bio do autor  Clique para fechar a bio do autor