Obama e Xi Jinping chegam a acordo mas mantêm-se as tensões

CyberwarSegurança

Os Presidentes Barak Obama e Xi Jinping vão unir forças para combater a criminalidade cibernética. Mas, apesar do entendimento entre duas das mais fortes potências económicas e tecnológicas mundiais, o Chefe de Estado norte-americano não deixou de sublinhar que os hackers chineses que insistirem em penetrar as defesas cibernéticas dos Estados Unidos não ficarão impunes.

A troca mútua de acusações de ciberespionagem entre a China e os EUA é hoje algo recorrente e já foram muitos os encontros entre representantes de ambos os governos. Mas nada parece ter mudado: os EUA são atacados, acusam hackers chineses e sugerem que o governo de Pequim apoiou a investida, e os porta-vozes da administração de Xi Jinping negam terminantemente o envolvimento do governo.

Mas talvez as coisas possam mudar em breve, ainda que pouco significativamente. Na passada sexta-feira, Barak Obama e o seu congénere chinês, falando diante da Casa Branca, após a primeira visita oficial de Xi Jinping aos Estados Unidos, anunciou que havia sido alcançado um acordo entre ambos os governos. No entanto, de acordo com a Reuters, Obama, ao lado do Presidente Chinês, mostrou-se um pouco cético relativamente ao entendimento, lançando para o ar a pergunta “Serão as palavras seguidas de ação?”.

Ambos os Chefes de Estado comprometeram-se a não apoiar, deliberadamente, atividades cibercriminosas que visem atacar infraestruturas corporativas e a roubar os seus dados.

No entanto, intencionalmente ou não, o acordo bilateral não contemplou a ciberespionagem que pretende adquirir inteligência governamental, da qual é exemplo o ataque que atingiu o Gabinete de Gestão de Pessoal do governo norte-americano.

Durante o encontro, Xi Jinping afirmou que o problema cibercrime apenas pode ser contido através da cooperação. O Presidente chinês, uma vez mais, frisou que a China é, ela própria, vítima de ataques cibernéticos.

Apesar do acordo na temática da cibercriminalidade, Obama e Xi Jinping continuam a discordar em vários outros aspetos. Um deles é o mar do sul da China, onde Pequim reclama a sua soberania territorial histórica sobre as Ilhas Spratly, descurando as reivindicações feitas pelos seus países vizinhos e mobilizando a sua força militar para afirmar a sua posição.


Clique para ler a bio do autor  Clique para fechar a bio do autor