Novo sistema da WatchGuard vai piscar o olho aos departamentos de marketing

CloudGestão de RedesInovaçãoRedesSegurança
0 0 Sem Comentários

Com o objetivo de melhorar a segurança de rede, a WatchGuard esteve em Lisboa a explicar aos parceiros a nova solução de controlo de malware avançado, o WatchGuard Cloud Wi-Fi.

O WatchGuard Cloud Wi-Fi é o novo produto da empresa norte-americana que pretende “acrescentar uma camada de segurança” aos produtos que produzem para assim “oferecer soluções de wireless seguro”, explicou o representante da marca em Portugal, Carlos Vieira.

O produto, ou melhor, os 4 produtos num dispositivo são uma solução patenteada de WIPS, ferramentas de envolvimento, análise e gestão. Estas soluções são todas cloud managed, ou seja, não é necessária infraestrutura, e correm em todos os access points, mesmo que sejam da concorrência quando escalonizados com um dos APs da WhatchGuard, como o AP320 e AP 120.

A tecnologia passou de WIDS para um WIPS. Ou seja, passou de um sistema que apenas detetava instrusões e mandava alertas de manutenção às equipas de TI para um que agora é capaz de prevenir esses ataques. Um WIPS faz o shut-down e inativa o Rogue AP (o ponto de acesso wireless não autorizado na rede) que pode ter como objectivo fazer o hack da rede.

Um local onde isto facilmente pode ser levado a cabo são os hotspots de retail, como foi explicado tanto por Carlos Vieira como por Jonas Spieckermann, senior sales engineer da marca. Com um router de 40 dólares, um hacker pode enganar as máquinas com um nome similar e ligar-se a um access ID. Nesta altura, abre-se um leque de oportunidades a quem quiser “roubar” contas e informação privada.

O problema dos WIPS é os falsos positivos e falsos negativos. Uma rede não pode mandar uma outra rede abaixo automaticamente sem ter a certeza que se trata de um Rogue AP. Com o novo sistema da WatchGuard são registados os AP autorizados que estão conectados à LAN e à Wifi-Cloud, os AP externos que não estão conectados à LAN nem à Wifi-Cloud e os rogue AP que estão conectados à LAN mas não estão registados na Wifi-Cloud.

Os sensores WIPS são como um add-on, uma camada de segurança extra, explicou Carlos Vieira. No entanto, o novo produto funciona com qualquer Access Point, mesmo os da concorrência. É apenas necessário um sensor por cada quatro AP.

Um dos pontos que a solução Cloud Wi-Fi permite é “usar a wifi para criar receita”. A funcionalidade de engagement permite que no acesso à rede hotspot ou wireless sejam criados páginas de chegada, facilmente personalizáveis para cada negócio e oferecer descontos e vales através da interseção de URLs.

Por isso, “o interlocutor da WatchGuard deixa de ser o responsável de TI e passa a ser o gerente de marketing” que, por exemlo, pretende receber as bases de dados dos utilizadores que entraram na rede de internet das lojas. É também possível criar promoções de acordo com os mapas de calor de determinado cliente. No caso de estar a ver uma estante de livros, irá receber descontos de livros, por ter sido detetado num AP cerca dessa zona.

Tudo isto é feito sem hardware de gestão, sempre na cloud e permitindo que uma empresa com 10 mil empregados, com 100 APs espalhados pelo território nacional possa ter cada um com uma configuração diferente.

Para o próximo ano, vão ser apresentados também o novo AP420 e o primeiro AP outdoor para responder às necessidades dos clientes.

“A rede wireless é o elo mais fraco da segurança na internet, hoje em dia” disse Carlos Vieira. Por isso, explicou à B!t, que no próximo ano vamos assistir a um aumento da media de ataques de cibersegurança.

“Eles existem, no entanto, só temos informação de ataques que se passam nos EUA ou na Alemanha. Vamos passar a ouvir diariamente falar de ataques de hackers em Portugal, e isto não se vai dever a um aumento nos ataques mas sim à alteração da legislação que vai obrigar as empresas a denunciar os ataques.” Explicou o representante da marca.