NOS regista aumento de 2,9% nas receitas do primeiro trimestre de 2017

GestãoOperadoresRedesResultados

A NOS apresenta, no primeiro trimestre, crescimentos em todos os segmentos de negócio quer em receita quer em clientes, quando comparado com o período homólogo de 2016.  A empresa registou 381 milhões de euros em receitas, um aumento de 2,9% quando comparado com o ano anterior.

As receitas verificadas deveram-se ao crescimento dos serviços que reportaram um aumento de 6,5%, com uma adição de 9,155 milhões. Já o EBITDA cresceu para os 143,6 milhões de euros, ou seja, mais 4,2% do que no primeiro trimestre de 2016.

O Resultado Líquido Consolidado atingiu 31,4 milhões de euros, equivalente a um crescimento de
28,7%, face ao período homólogo do ano passado, sendo que o CAPEX total foi de 87,1 milhões de euros.

O número de subscritores móveis é agora de 4,487 milhões, com 314 mil novos clientes ante o mesmo período de 2016. Por seu turno, os clientes de televisão por subscrição aumentam 3% para 1,6 milhões. Nos serviços de banda larga fixa e telefone fixo continuou a registar-se uma evolução positiva, com crescimentos de 9,1% e 5,5% para 1,290 milhões e 1,738 milhões respetivamente.

O número de serviços empresariais, nos três primeiros meses do ano, aumentou para 121,2 mil, atingindo 1,431 milhões.

“A nossa estratégia tem assentado numa oferta única de serviços baseada nas melhores e mais extensas redes de comunicações de nova geração, acompanhada por uma inovação contínua e pela contínua aposta na melhoria de experiência dos nossos clientes. A NOS continua a investir no desenvolvimento e na inovação das redes e serviços, fatores fundamentais para reforçar a nossa posição competitiva. A evolução positiva, quer ao nível dos resultados financeiros quer operacionais comprovam a validade da estratégia implementada pelas equipas da NOS, apresentando crescimentos significativos num mercado maduro”, afirmou, em comunicado, Miguel Almeida, CEO da NOS.

Além do mais, a operadora refere que reforçou a cobertura da sua rede fixa de nova geração, aumentando o número de casas com cobertura para 3,772 milhões.


Clique para ler a bio do autor  Clique para fechar a bio do autor