Noesis abre escritório em Dublin e explora novas oportunidades

Negócios

A Noesis chegou ao mercado irlandês com a abertura de um escritório na capital do país. Num primeiro momento, a consultora vai centrar-se na entrega de serviços de gestão de qualidade. Para o primeiro ano de operações no mercado insular, a empresa prevê um volume de negócios de um milhão de euros. Dando azo ao

A Noesis chegou ao mercado irlandês com a abertura de um escritório na capital do país. Num primeiro momento, a consultora vai centrar-se na entrega de serviços de gestão de qualidade. Para o primeiro ano de operações no mercado insular, a empresa prevê um volume de negócios de um milhão de euros.

expansão

Dando azo ao desenvolvimento da sua estratégia de expansão transnacional, a Noesis, de origem lusa, estendeu o braço até à Irlanda e enterrou o estandarte em Dublin. Com a abertura do novo escritório, a consultora visa “responder aos desafios colocados pelos clientes”, aliás, mote que é transversal a todos os passos dados no âmbito da sua ambição internacional. Simultaneamente, a chegada à Irlanda reforça também a presença da Noesis a nível europeu. A empresa tem agora oito escritórios.

Num estágio inicial, a empresa vai alocar parte da sua equipa atual ao escritório de Dublin, que trabalharão lado a lado com colaboradores locais de forma a serem fornecidos serviços on site. Esta entrega será feita através de consultores e do seu Test Centre of Excellence (a que Noesis chama de Qfactory) em Portugal. A empresa revela que, no futuro, poderá ser construído um Qfactory na Irlanda.

O diretor da área de Quality Management da Noesis, Andy O’Driscoll, considera que o mercado irlandês encerra em si um grande potencial em matéria de inovação tecnológica, chegando mesmo a afirmar, que “Dublin tem vindo a afirmar-se como um futuro Silicon Valley da Europa, um epicentro do mundo das TI já denominado Silicon Dock”. Desta forma, O’Driscoll justifica a viagem da Noesisaté ao país do trevo das quatro folhas, que poderá surgir como o pote de ouro no fim do arco-íris do mercado europeu da tecnologia.

Em Portugal, a empresa tem escritórios em Oerias, Lisboa, Coimbra e Porto. Para lá das fronteiras, o seu mercado doméstico, tem escritórios em Bruxelas, São Paulo e Luanda. nos próximo três anos, a empresa diz que espera que os mercado internacionais representem 30 por cento da totalidade da sua faturação.


Clique para ler a bio do autor  Clique para fechar a bio do autor