Mudanças no roaming: especialistas avisam para fraudes

MobilidadeOperadoresRedes
0 0 Sem Comentários

As alterações à regulação do roaming na União Europeia, que entraram em vigor no final de abril, estão a criar uma oportunidade para o surgimento de fraudes. É o que avisam os especialistas da Revector, uma empresa britânica que fornece produtos para operadores de telecomunicações.

O fim do roaming ainda não chegou (será eliminado em junho de 2017), mas os preços já caíram 77% com as alterações introduzidas este ano. A Anacom tem inclusive uma campanha a encorajar os consumidores portugueses a consultarem as tarifas junto dos seus fornecedores antes de viajarem.

“À medida que os operadores na Europa tentam recuperar alguma da receita perdida com a redução dos preços do roaming, estão a tentar aumentar as taxas para chamadas terminadas fora da União Europeia. No entanto, isto torna a fraude com SIM Box mais apetecível”, indica Andy Gent, CEO da Revector.

De que se trata este tipo de fraude? A empresa explica que os burlões podem comprar milhares de cartões SIM locais e inseri-los em aparelhos GSM Gateway ou SIM Box, que depois são conectados à internet. Vendem então os minutos de chamadas internacionais e conectam-nas como sendo chamadas locais. Os operadores de telecomunicações perdem o pagamento do preço internacional.

Foi precisamente isto que aconteceu em África com a introdução de uma tarifa transfronteiriça no Leste do continente. A Revector assistiu a uma “epidemia de SIM Boxes” na região.

Andy Gent sublinha que muita gente não terá pena das operadoras de telecomunicações, mas refere que se trata de uma questão séria. “Primeiro, as empresas vão ter maior dificuldade em gerar as receitas suficientes para investirem em novas tecnologias de rede, e isso significa qualidade inferior nas chamadas de voz e velocidade dos dados”, afirma o CEO. “Em segundo lugar,  as fraudes com SIM Box financiam o crime organizado e o terrorismo. Têm de ser paradas.”

O executivo salienta ainda que este ano será particularmente difícil para as operadoras por causa do aumento das chamadas over-the-top (OTT), que se estão a popularizar com aplicações gratuitas como o WhatsApp e o Viber.


Clique para ler a bio do autor  Clique para fechar a bio do autor