Ministro do Ambiente visita startup Book in Loop

NegóciosStartup

O Ministro do Ambiente, João Pedro Matos Fernandes, visita hoje às 17h30  as instalações ad Book in Loop, startup incubada no Instituto Pedro Nunes que lançou um serviço de reutilização de material didático para os ensinos básico e secundário.

A visita às instalações da empresa de Coimbra acontece no âmbito dos esforços do Governo português no fomento da economia circular, em linha com o pacote de medidas sobre economia circular, apresentado pela Comissão Europeia.

“Com estas medidas, a Comissão Europeia pretende aumentar a competitividade da economia europeia nos limites da capacidade ambiental do planeta onde o valor dos produtos, materiais e recursos se mantém na economia o máximo de tempo possível e a produção de resíduos é reduzida ao mínimo”, indicou João Pedro Matos Fernandes.

A solução da Book in Loop, lançada em 2016, já permitiu a mais de 18 mil famílias, através de uma rede nacional de 330 pontos de recolha, poupar mais de 300 mil euros em manuais escolares no arranque deste ano lectivo, tendo sido premiada com o Prémio Navegantes XXI para melhor site de ecommerce pela Associação da Economia Digital (ACEPI).

A Book in Loop conseguiu recentemte o primeiro investimento de capital de risco social em Portugal através do Fundo Bem Comum, participado pela Caixa Capital, Espírito Santo Ventures, Santander, Montepio Geral e Grupo José de Mello.  Este financiamento foi usado para aumentar  a equipa, desenvolver uma uma aplicação iOS e Android e permitirá a expansão da ação ao mercado universitário.

A campanha deste ano foi lançada em parceria com a Sonae MC, estando presente nas lojas Continente e Note, e pretende alcançar 70 mil utilizadores, uma poupança de 3 milhões de euros para as famílias e evitar a emissão de toneladas de CO2 para a atmosfera.

Durante a visita o Ministro do Ambiente vai conhecer a equipa da empresa, desde a técnica à de inovação, que está instalada no IPN e saber como funciona o modelo de negócio da startup.

O Ministro do Ambiente, defendeu recentemente que, com a economia circular, apostando na reutilização, os consumidores podem começar a pagar somente o que usam, “não há nenhuma razão para que os consumidores paguem mais, antes pelo contrário, porque vão passar apenas a pagar aquilo que objetivamente utilizam, vão deixar de adquirir equipamentos que na maior parte do tempo da sua vida estão parados.”

João Pedro Matos Fernandes afirmou ainda na altura do lançamento da consulta pública do Plano de Ação Nacional para a Economia Circular, em junho passado, que é “fundamental a consciencialização das pessoas através de campanhas mais ou menos alargadas”, havendo um papel muito importante das próprias empresas.

 


Clique para ler a bio do autor  Clique para fechar a bio do autor