Migrações falhadas aumentam

Base de DadosCloudData-StorageGestão
0 12 Sem Comentários

44% das empresas sofreram, em 2016, falhas de migração. Os dados são de um estudo da Vision Solutions, divulgado pela CESCE SI.

O estudo que pretende conhecer as tendências globais nas áreas da migração, contou com a resposta de mais de 2000 CTOs, CIOs, e líderes de TI. Houve também comparação de dados entre a América do Norte, América Latina, Europa, África e Médio Oriente.

Do relatório, ficamos a perceber não só que 44% das empresas questionadas sofreram de falhas de migração em 2016, mas também que o custo de inoperacionalidade não é calculado por 70% das empresas.

Entre 2014 e 2015, a percentagem de falhas nas migrações subiu cerca de 20 %. Um dos dados preocupantes é também que 85% das empresas que responderam ao estudo dizem não ter plano de recuperação de uma migração falhada.

“Num mundo em que a visibilidade dos dados é determinante para o crescimento do negócio, é essencial que os líderes de TI façam uma análise e identifiquem as melhores ferramentas e soluções para assegurar a resiliência.” disse Alan Arnold, vice-presidente executivo e CTO da Vision Solutions, em comunicado.

Os desafios para as empresas recaem na proteção e recuperação de volume de dados cada vez maiores, na melhor utilização da cloud e na tentativa de diminuir as migrações falhadas. Por isso, “25 por cento dos profissionais de TI indicaram que os seus planos futuros para a proteção de dados irá incluir serviços de terceiros, como sejam serviços geridos, cloud, e DRaaS”, segundo o comunicado.

“Se um líder de TI não for ágil e reagir rapidamente, arrisca a saúde da sua estratégia de dados e a saúde do seu negócio. Por isso, a importância destes estudos e relatórios, para estar a par das novidades, tendências e avanços tecnológicos” explica Pedro Vieira, Diretor de Desenvolvimento de Negócio da CESCE SI.

Uma das preocupações, de 70% das empresas é que exista informação armazenada em diferentes bases de dados da empresa que atrase a tomada de decisões importantes.


Clique para ler a bio do autor  Clique para fechar a bio do autor