Microsoft lança app Assédio Zero no Brasil

AppsMobilidadeSmartphones

A Microsoft Brasil lançou uma aplicação de smartphone destinada a mapear a violência contra as mulheres, um serviço desenvolvido em parceria com o Instituto Eldorado, Catraca Livre e Comparex.

A app Assédio Zero  está disponível apenas no sistema operativo Android, para já, mas a Microsoft Brasil promete uma versão para o seu próprio sistema operativo Windows Phone e para o iOS da Apple em breve.

O objetivo é ajudar as mulheres a identificar lugares com maior índice de assédio e risco de violência. Surge numa altura de grande revolta social após vários casos graves de violação de jovens brasileiras, incluindo um que foi filmado e disseminado nas redes sociais. O problema é sério: segundo dados do Fórum Brasileiro de Segurança Pública, uma mulher é violada no Brasil a cada 11 minutos.

Os utilizadores da app podem posicionar o marcador de localização no mapa e selecionar o tipo de agressão, física ou verbal, sendo que os dados recolhidos ficam armazenados na plataforma de nuvem da Microsoft.

O sistema gera então um “mapa de calor”, onde é possível identificar facilmente os pontos mais violentos de cada região. Quem utiliza a app poderão também receber mensagens e avisos sobre os ataques em tempo real, um tipo de informação que pode ser bastante útil para ações de segurança pública.

A base tecnológica é a mesma usada para outra aplicação deste tipo, lançada em maio e chamada Espaço Livre. É dedicada a ajudar a comunidade LGBT e traça um “mapa da homofobia”, a partir de denúncias de agressões.

 

Outra iniciativa da Microsoft na questão dos direitos das mulheres é a recente assinatura do documento “Women’s Empowerment Principles“, uma iniciativa da ONU Mulheres.

 

 

“A Microsoft Brasil possui uma estratégia corporativa com compromisso público com a equidade de género”, explica a empresa. “Atualmente 50% dos estagiários são mulheres, 30% dos cargos de liderança são ocupados por mulheres e, nas posições que se reportam diretamente para Paula Bellizia, presidente da Microsoft, o índice é de 60%.”

 

 


Clique para ler a bio do autor  Clique para fechar a bio do autor