Marca chinesa lança versão low-cost do Samsung Gear VR

InovaçãoMobilidadeSmartphonesWearable

Poucas semanas depois da chegada ao mercado do novo Samsung Gear VR, uma marca chinesa já lançou a versão low-cost destes óculos de realidade virtual. É mesmo a FiresVR que assume a semelhança entre os dois produtos, proclamando ser a “Xiaomi da indústria de realidade virtual na China.”

Ainda sem o crescimento impressionante da Xiaomi, que já é a quinta maior fabricante de smartphones do mundo, a FiresVR lançou os óculos JiDime-1 com um preço imbatível: 199 yuans, ou 28 euros para a primeira versão. Além do hardware, também introduziu um SDK baseado em Unity e um sistema de interação para o utilizador.

A novidade para o mercado é que este é o primeiro produto de hardware para realidade virtual com complexidade técnica, botões interativos e elevado desempenho vindo da China. Até aqui, tinham surgido dezenas de óculos baseados no Google Cardboard, mas nenhum com capacidade para competir ao nível do GearVR. A primeira versão, que sairá em breve, é virada para os programadores. Uma edição comercial virá depois no segundo trimestre de 2016.

O CEO e fundador da FiresVR, Frank Lou, diz que o JiDome-1 é “tecnicamente muito semelhante ao Gear VR da Sansung”, mas será compatível com um leque mais alargado (e agnóstico em termos de marcas) de smartphones Android. A FiresVR está agora a trabalhar com fabricantes para assegurar o suporte necessário, que implica alguns requisitos técnicos – os smartphones têm de ter placas gráficas que suportem OPENGL ES3.0 ou superior, por exemplo.

De resto, o JiDome-1 tem uma estrutura óptica adaptada aos tamanhos de ecrã da maioria dos smartphones, um giroscópio de 9 eixos e sensor de proximidade, bem como ventoinha e botões interativos. A sua comparação com o Gear VR da Samsung é interessante: este modelo da empresa sul-coreana foi desenhado em parceria com a Oculus, subsidiária do Facebook, e já vem com um preço mais atrativo que o esperado para o mercado, 99,90 euros. O Oculus Rift, HTC Vive e PlayStation VR que chegam no primeiro semestre de 2016 deverão ser mais caros, até porque o conceito não será o de ligação ao smartphone para a experiência de realidade virtual.

Mas a FiresVR quer atacar precisamente esse segmento. A sua equipa de tecnologia trabalhava anteriormente na Baofeng Technology e saiu antes da cotação em bolsa da empresa, com o sonho de se tornar a “Xiaomi da realidade virtual.” Curiosamente, o Note Flagship Edition da Xiaomi foi o smartphone usado pela FiresVR na apresentação do JiDome-1, mas ainda não foi finalizado qualquer acordo. A empresa pretende negociar com várias fabricantes – desde que não sejam a sul-coreana Samsung.


Clique para ler a bio do autor  Clique para fechar a bio do autor