Lyft recebe investimento e reforça estratégia de expansão

MobilidadeNegócios

A Lyft conseguiu um investimento de 530 milhões de dólares. A concorrente da Uber conseguiu alcançar um valor de 2,5 mil milhões de dólares e tem agora uma maior capacidade para concretizar os seus planos de expansão. Liderada pela japonesa Rakuten, do setor do comércio online, a mais recente ronda de investimentos na Lyft vai

A Lyft conseguiu um investimento de 530 milhões de dólares. A concorrente da Uber conseguiu alcançar um valor de 2,5 mil milhões de dólares e tem agora uma maior capacidade para concretizar os seus planos de expansão.

lyft

Liderada pela japonesa Rakuten, do setor do comércio online, a mais recente ronda de investimentos na Lyft vai alimentar a estratégia de expansão do serviço online de boleias norte-americano, que espera aproximar-se da sua rival Uber, ainda na liderança deste mercado emergente.

Apesar da injeção de capital ter sido algo significativo para Lyft, esta continua a ser amplamente ensombrada pela concorrente, cujo valor de mercado ronda os 40 mil milhões de dólares.

A Rakuten, que contribuiu com cerca de 300 milhões de dólares para a ronda de investimentos, pretende, diz a Reuters, deitar a mão a um quinhão de 11,9 por cento da Lyft.

Sendo serviços disruptores, estes que permitem solicitar boleias através do smartphone, tanto a Lyft como a Uber têm sido alvo de fortes obstáculos legais impostos pelas autoridades reguladoras às suas operações.

A Lyft tem procurado muscular o seu negócio e adquirir munições para competir com serviços rivais. Mas, ao contrário, por exemplo, da Uber, a Lyft está, pelo menos por agora, limitada ao mercado norte-americano. No outro lado da moeda, a Uber opera em 55 países.

Conta a Reuters que várias empresas da Internet e do comércio online do continente asiático têm, nos últimos tempos, investido afincadamente em serviços e apps de requisição de boleias. A SoftBank, um peso-pesado do setor japonês das telecomunicações, apostou cerca de 580 milhões de dólares, em meados de janeiro deste ano, no serviço Travice, congénere chinês da Uber e da Lyft.


Clique para ler a bio do autor  Clique para fechar a bio do autor